Botafogo volta a jogar torneio nacional de vôlei após 29 anos

Compartilhe:

Tetracampeão brasileiro (1976/75/72/71), 23 vezes campeão estadual e dono de três títulos sul-americanos (1977/72/71), o Botafogo busca resgatar a sua tradição no vôlei após 29 anos sem competir a nível nacional. De olho na elite, a equipe da estrela solitária estreia nesta sexta-feira contra o Rio Branco, às 19h30m, em Uberlândia (MG), na Mata Atlântica da Supercopa. Com nove de 16 jogadores formados pelas suas categorias de base, o Alvinegro apostou na mescla entre juventude e experiência. Um dos principais reforços do time é Thiago Aranha, de 31 anos, que atuou na última temporada do Circuito Brasileiro de vôlei de praia ao lado de Moisés, o Moca, e Thiago Barbosa. Com passagens pelo Campinas e o Pinheiros na quadra, o ponteiro ainda tem na bagagem a experiência em países como Espanha, Bélgica, Turquia e França, onde sagrou-se bicampeão francês pelo Paris Volley.

Segundo Thiago, os clubes de camisa dos gramados deveriam pegar carona com o Botafogo a fim de trazer uma maior visibilidade e contribuir para o processo de renovação do vôlei.

– Todo o time de futebol deveria montar equipes em esportes amadores. O Cruzeiro abraçou a causa no vôlei e vem se mantendo entre os melhores nos últimos cinco anos, enquanto o Flamengo montou um time forte no basquete. Eu costumo dizer que o vôlei é o primeiro esporte do Brasil e o futebol é religião. Seria interessante se outros clubes de camisa fossem para a quadra. O esporte só tem a ganhar com essa rivalidade sadia, de amor à camisa, e que transforma o jogo em um clássico. Fico feliz em contribuir para o projeto no Botafogo. Depois de tantos anos fora do circuito nacional, a equipe almeja voltar à elite – disse Thiago, que espera aplicar a boa qualidade dos fundamentos desenvolvidos na areia na quadra.

Time Botafogo vôlei de quadra Supercopa Uberlândia (Foto: Carol Fontes)Jogadores do Botafogo posam em General Severiano antes da viagem a Uberlândia (Foto: Carol Fontes)

O retorno ao circuito nacional é o primeiro passo do Botafogo rumo à elite. Desde 1984, quando ficou em quinto lugar na Taça Brasil, o clube disputou apenas torneios estaduais, como a Copa Rio e o Estadual. Ao assumir o comando da equipe, em 2011, o técnico Walner dos Santos montou um grupo formado em sua grande maioria por atletas do juvenil. A base sofreu poucas alterações, e o entrosamento é um dos trunfos em busca de bons resultados na primeira edição da Supercopa. O título do torneio teria um sabor especial para o treinador.

– É uma honra e uma grande responsabilidade representar uma equipe como o Botafogo. Queremos resgatar a nossa tradição com conquistas. O nosso maior objetivo na Supercopa é trazer um resultado positivo e ganhar força para voltar à elite do vôlei brasileiro. Fui pai há quatro dias da Valentina, minha princesa, e gostaria de ganhar o título para dedicá-lo a ela e à minha esposa, a rainha. O grupo vem treinando junto há um tempo, estamos entrosados e podemos ir bem em Uberlândia – disse Walner, torcedor fervoroso do clube carioca.

Botafogo campeão brasileiro em 1971 vôlei  (Foto: BFR)Túnel do tempo: jogadores do Botafogo festejam
o título brasileiro em 1971 (Foto: BFR)

Quatro atletas que defendem as cores do Alvinegro são estudantes de educação física e trabalham como estagiários nas categorias de base em General Severiano. Além de Bernardo, Antonio, João e Diego, Paulo Vitor está cursando administração e ajuda na área de gestão do Botafogo.

Campeão mundial e sul-americano juvenil, Bernardo não mede esforços para conciliar a rotina de treinos à vida acadêmica. Aos 24 anos, o levantador, medalhista de ouro pelo Minas na Superliga 2006/2007, vê a seleção como um sonho distante, e concentra os esforços na construção de uma carreira após a sua aposentadoria no vôlei.

– Estudo, trabalho e treino, é tudo muito corrido. Quero seguir uma carreira fora das quadras e não estou tão focado na carreira de jogador. A seleção é um sonho distante, mas não descartaria defender um time da elite se a proposta for boa. Desde os meus 15 anos, estou longe de casa (Niterói) por conta do vôlei. Já morei em São Paulo, Santo André, São Bernardo, São Caetano, Belo Horizonte… Agora, resolvi estudar e me formar, sem deixar de aproveitar a oportunidade de trabalhar e jogar no Botafogo – analisou Bernardo, que disputou a última edição da Superliga B pelo Sport Recife, que terminou na quarta colocação.

A Supercopa é composta por seis etapas regionais pelo país. Os campeões carimbam o passaporte para a fase final do torneio, de 18 a 23 de junho, em Brasília (DF). Até o momento, apenas o Monte Cristo, de Goiás, garantiu a vaga ao conquistar a etapa Cerrado, em Anápolis (GO). Além da Mata Atlântica, outras duas regionais terão início nesta sexta-feira: Pampas, em Chapecó (SC), e Dunas, em Fortaleza (CE). A Litoral, em Maceió (AL), já está em andamento.

Confira a programação da etapa Mata Atlântica:

Sexta-feira – 24 de maio
19h30 – Botafogo (RJ) x Rio Branco (SP)

Sábado – 25 de maio
17h – Uberlândia T.C. (MG) x Rio Branco (SP)

Domingo – 26 de maio
11h – Botafogo (RJ) x Uberlândia T.C. (MG)

Fonte: Globoesporte.com

Comentários