O ex- zagueiro Wilson Gottardo, um dos destaques do Botafogo na campanha que culminou com o título do Campeonato Brasileiro de 95, e um dos comandantes na última Libertadores disputada pelo Alvinegro em 96, mostrou confiança para reverter a situação, tanto dentro como fora de campo. Em entrevista exclusiva ao Yahoo Esporte Interativo, o ex-jogador e agora treinador analisou a preparação do clube para a temporada e a escolha de Eduardo Hungaro no comando da equipe.

“Não sei o que é ter experiência ou não. Quer dizer que um treinador que tenha dirigido 5 equipes seja menos competente que outro que já comandou 30? Isso é relativo. Cada um tem sua forma de aprender, de por em prática suas ideias, métodos de trabalho e conceitos. A decisão da diretoria foi trazer o Hungaro da base e que trabalhou durante um tempo com o Oswaldo de Oliveira. Enfim, se é certo ou errado só o tempo vai mostrar”, disse Gottardo.

O ídolo botafoguense também demonstrou preocupação com as medidas tomadas pelo elenco alvinegro em reação aos atrasos de salários pela diretoria. Na última semana, os jogadores realizaram uma série de paralizações antes do início dos treinamentos, como forma de protesto. Para Gottardo, esse não foi o melhor caminho para resolver a grave situação.

“Eu sempre fui contra qualquer tipo de greve ou manifestação por cobrança de salários em dia, pois a profissão de jogador de futebol é diferente. Você tem que ter produtividade, ter metas e resultados, e resultado ruim agrava todo o sistema financeiro e econômico do clube, afasta toda possibilidade interessante de patrocínio, por isso tem que dar resultado dentro de campo e a cobrança deve ser feita internamente com a diretoria, pois alguns atletas não conseguem administrar ou focar 100% numa partida ou campeonato, ele acaba se dispersando e diminuindo a sua produção”, explicou.

“Quando fui capitão e um dos líderes do Botafogo, não deixei a situação chegar nesse nível. A conversa era muito transparente com os demais atletas, com os jogadores que também partilhavam da mesma ideia e dirigentes. A gente sabia das dificuldades que o clube passava na ocasião, mas mesmo assim lutamos para chegar nas duas finais em 89 e 90 (Campeonato Carioca) e em 95 (Brasileiro)”, compeltou.

Ao todo, Gottardo teve três passagens pelo Botafogo, atuando entre 1987 e 1990, retornado em 1994 e finalizando sua trajetória em 1996. Pelo clube, conquistou os Estaduais de 1989 e 1990, além do já citado Campeonato Brasileiro de 1995. O jogador é o convidado do Programa do Radamés, que vai ao ar nesta sexta-feira, às 22 horas, no Esporte Interativo.

Fonte: Yahoo! Esporte Interativo