Maior promessa recente do Botafogo, vendido a R$ 31,6 milhões para o CSKA (dos quais R$ 18,6 milhões foram para o clube alvinegro), Vitinho não descarta um dia jogar no Flamengo. Em entrevista ao site “Globoesporte.com”, ele explicou a saída de General Severiano e se revelou flamenguista.

– Não podia esconder. Desde que me entendo por gente, brincar de futebol, meu pai sempre me levou nos jogos do Flamengo. Fui muito na geral do Maracanã torcer para o Flamengo. Cresci vendo o Flamengo jogar, meu pai me levava para a Gávea para ver os jogadores. Eu sou flamenguista, independentemente de ter jogado no Botafogo. Fiz gol no Flamengo, comemorei. Foi meu primeiro gol com a minha filha para nascer. Foi um dos gols mais importantes da minha carreira até agora. Mas isso é indiferente. Eu joguei no Botafogo, mas o Flamengo é um adversário. Isso não muda nunca. A gente guarda o carinho, até por conhecer as pessoas que trabalham nesses clubes, mas a vida segue – afirmou.

O jogador garantiu que seu passado no Botafogo não o impediria de jogar no clube rubro-negro.

– Não, lógico que não. São questões de oportunidade. Sou muito grato pelo que o Botafogo fez por mim, a oportunidade que me deu, retribuí enquanto estive lá, ajudei bastante. Alguns motivos da saída foram um pouco chatos, mas coisas do futebol. O Botafogo foi muito bem remunerado pela minha saída, não sei se houve algum outro jogador que foi vendido pelo Botafogo mais caro do que eu. Foi bom para o Botafogo, recebeu boa quantia, também tive a chance de vir para a Europa, o que acontece daqui para frente são coisas que têm que acontecer. Vou ter sempre o mesmo carinho pelo Botafogo, surgi lá, tive oportunidades. Vou ser sempre um parceiro.

Aos 23 anos, Vitinho vive boa fase no CSKA e classificou o time para a fase prévia da Champions League, com dois gols na última rodada.

Fonte: Globoesporte.com