Uma novidade marcou a reunião do Conselho Deliberativo do Botafogo, realizada em General Severiano na última terça-feira. Apesar das presenças de Nelson Mufarrej, presidente do clube, e Carlos Eduardo Pereira, vice-presidente geral, a voz que mais se ouviu no evento foi a do empresário Laércio Paiva. Até então desconhecido, ele discursou e apresentou aos conselheiros os passos e o futuro do plano de negócios da profissionalização do futebol no Alvinegro.

Surpresa para grande parte dos torcedores, Laércio Paiva é um dos integrantes mais importantes no processo da Botafogo S/A, que pretende separar o futebol da parte social nas bandas de General Severiano. O empresário carrega a função de ser o integrador do projeto. O LANCE! explica.

Como apresentado durante a reunião, Laércio Paiva fez graduação na PUC-Rio e foi CEO do Banco Votorantim entre maio de 2002 a maio de 2013, além de acumular passagens pela WorldCap Solutions e no Banco de Investimentos Garantia. É botafoguense, frequentou a arquibancada carregando a camisa alvinegra desde criança e atualmente mora em São Paulo.

O Botafogo viu uma boa oportunidade de mercado na possibilidade de ter Laércio Paiva como figura ativa do projeto de profissionalização. A ideia da cúpula alvinegra era ter alguém que não está envolvido com as questões do clube no dia a dia e, com espaço livre para trabalhar, organizar as ideias do plano de negócios, que deve ficar pronto até a metade de outubro e, desta forma, ser apresentado aos possíveis investidores.

Foi um casamento perfeito: ao mesmo tempo que Laércio, com a experiência vivida no mercado financeiro, chegou com ideias, a diretoria entendeu que ele poderia se envolver no projeto por não ter uma obrigação com o Botafogo em si. O empresário lidera um grupo com cerca de 40 pessoas que trabalha para participar e idealizar o plano de negócios. Como os prazos são curtos, a grande quantidade de pessoas é um indicativo de que o trabalho não é simples.Laércio Paiva é o responsável por organizar as ideias, controlar os prazos e a comunicação entre as empresas contratadas para fazer parte do suporte do business plan. Internamente, sua função é colocada como uma espécie de integrador. A partir da comunicação com todas as áreas envolvidas, o empresário traça as informações para formular o documento principal, que será entregue às pessoas dentro do Botafogo e, posteriormente, aos investidores com interesse na S/A.

– É um grande botafoguense, é oriundo de torcida organizada. Nós tivemos a felicidade de encontrá-lo, de tê-lo conosco. Começamos um trabalho ano passado, já tínhamos começado a elaborar um plano B ao trabalho que foi feito pela Ernst & Young. No final, o que fizemos foi juntar um pouco das ideias que havíamos desenvolvido com o estudo contratado. Algumas partes casavam. A gente precisava de uma pessoa que não está no dia a dia do clube, altamente competente, dedicado, trabalhando por amor ao clube. Foi um achado. Ele fica dedicado a fazer essa coordenação para que esse trabalho seja feito no tempo necessário – colocou Luiz Felipe Novis, vice de finanças, após a reunião do Conselho Deliberativo.

É importante ressaltar que Laércio Paiva não é responsável por procurar ou negociar com investidores. Sua função é “interna”. É um gestor, com a função de coordenar todas as informações levantadas que podem influenciar no plano de negócios. A cúpula alvinegra entende que o trabalho do empresário, que está envolvido com o projeto há, pelo menos, três meses, é competente.

Ao todo, seis empresas foram contratadas para viabilizar o plano com a maior rapidez possível. Laércio, apesar de ter “aparecido” apenas agora, é uma figura importante nos bastidores e uma figura fundamental para o possível sucesso da profissionalização do futebol e a criação da Botafogo S/A.

Fonte: Terra