O São Paulo foi o clube que mais gastou por ponto conquistado em 2016 e não obteve nenhum retorno por isso. De acordo com estudo do Itaú BBA, o clube do Morumbi foi o único time sem título entre os que mais torraram dinheiro no ano passado: foram cerca de R$ 3,8 milhões pagos em cada ponto tricolor.

O clube, aliás, superou até o Palmeiras, atual campeão brasileiro, que investiu, em média, R$ 3,64 milhões em cada ponto somado na última temporada. Para efeito de comparação, o Corinthians, que venceu o principal torneio do país em 2015, gastou R$ 2,2 milhões por ponto.

O time tricolor vem se mantendo firme no topo entre os clubes que mais gastam sem conquistar nenhuma taça com a mesma proporção. Afinal, em 2015 a equipe tricolor foi a segunda que mais desembolsou por ponto conquistado, ficando atrás apenas do Cruzeiro – na ocasião, os paulistas gastaram pouco mais que R$ 2,6 milhões no quesito.

O São Paulo foi considerado o “clube que mais deixou a desejar” ao longo de 2016. O estudo apontou que a equipe gastou tanto quanto o Palmeiras – 95.9% do que o time alviverde desembolsou por ponto, no caso – e não conseguiu nenhum resultado, ou seja, sem títulos ou classificações relevantes.

O Corinthians também mereceu destaque negativo. Afinal, o clube gastou mais do que em 2015 – desta vez, foram R$ 2,74 milhões por ponto – e ficou distante de qualquer conquista relevante. Cruzeiro, Fluminense e Sport também foram classificados como “deixaram a desejar”.

O estudo considerou o Palmeiras como o time mais eficaz em seus gastos ao longo do ano 2016, principalmente por conta do título brasileiro, que veio após alto investimento.

O Santos foi outro elogiado, campeão estadual e vice no Brasileiro, assim como o Grêmio, campeão da Copa do Brasil, o Vasco, que levou o Carioca e voltou à Série A, além de Flamengo, Atlético-MG e Botafogo, classificados à Libertadores.

Esses clubes, no caso, “são os que conseguiram mais conquistas gastando mais por ponto. O resultado veio, mas a um custo excessivo”.

Para chegar ao ranking, o Itaú BBA somou investimentos no futebol, como salários e despesas do negócio, mais gastos em reforços e pagamentos para cobrir buracos de caixa. Depois, dividiu o valor pelo número de pontos obtidos em todos os campeonatos oficiais e cruzou com pontuações específicas por conquistas – a do Brasileirão, por exemplo, vale 25 pontos, os Estaduais e classificação à Libertadores levam 10 e a Copa do Brasil 15.

Por conta dessa equação, o Palmeiras – que gastou acima de R$ 4 milhões por ponto conquistado em campo – viu seu investimento em cada pontuação individual diminuir no resultado final, chegando aos R$ 3,64 milhões citados acima.

O que teve um posicionamento pior foi o Internacional, que gastou muito e desceu de divisão mesmo assim. Por isso, acabou classificado como “perdulário”, ou seja, que esbanja, torra dinheiro em excesso. De acordo com o gráfico, o time colorado investiu cerca de R$ 3 milhões por ponto.

O Itaú aproveitou, também, para comparar Palmeiras, Inter e São Paulo. O banco citou que o time alviverde aumentou gastos pelo aumento efetivo nas conquistas, enquanto o efeito de tricolores e colorados foi mais pelo mal desempenho em campo, com menos pontos conquistados e custos elevados com relação a 2015.

Já o Atlético-PR foi definido como o clube mais eficaz de 2016. Afinal, gastou apenas R$ 1,22 milhão por ponto, levantou o troféu estadual e alcançou vaga na Libertadores deste ano – torneio em que já classificou-se às oitavas de final.

Os outros times eficazes na análise do Itaú foram a Chapecoense, campeã da Sul-Americana, além de Vitória e Goias, campeões estaduais, mais Bahia e Avaí, que retornaram à Série A.

“Especialmente esses 4 últimos clubes são essencialmente regionais e gastam valores muito próximos. Isso mostra que é fundamental ter a consciência do tamanho e da possibilidade de conquistas. Trata-se de padrão que deve ser ressaltado e valorizado”, definiu o estudo.

Fonte: ESPN.com.br