O torcedor do Botafogo que nasceu do meio da década de 80 para cá é feliz. Basta perguntar a um alvinegro mais experiente, que presenciou o incômodo jejum de 21 anos sem títulos, entre 1968 e 1989. Mas a história do fim do jejum – que seria quebrado com título em cima do Flamengo e o lendário gol de Maurício – pode começar a ser contada um ano antes, em 1988.

Em agosto daquele ano, um remodelado Botafogo foi até a cidade de Palma, em Mallorca, na Espanha, para disputar o Torneio Cidade de Palma (ou Torneio Palma de Mallorca), um campeonato amistoso, ao lado dos gigantes Boca Juniors e Barcelona e do anfitrião Mallorca. Os jogos foram disputados no Estádio Lluís Sitjar, que hoje nem existe mais – foi demolido em 2015.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Palco do título do Botafogo em 1988, Estádio Lluís Sitjar, em Mallorca, foi demolido em 2015Palco do título do Botafogo em 1988, Estádio Lluís Sitjar, em Mallorca, foi demolido em 2015

 

E o Botafogo montado por Emil Pinheiro fez bonito. Na semifinal, no dia do aniversário do clube (12 de agosto), o Glorioso bateu o Boca Juniors por 3 a 1, com gols de Josimar, Carlos Magno e Helinho para o Botafogo e Correa, de pênalti, descontando, em partida que teve cinco expulsões – três dos argentinos e dois dos alvinegros. Na decisão, o temido Barcelona do técnico Johan Cruyff.

O Boca Juniors respeitou bastante o Botafogo. Esperava que viesse para cima, brigar, bater, como era tradição ainda mais naquela época. Fiquei impressionado com eles nos respeitando. Ganhamos de 3 a 1 e fomos enfrentar o Barcelona, uma equipe muito forte, muito técnica, que estava se preparando para temporada europeia – relembrou o zagueiro Wilson Gottardo, titular da equipe, em recente entrevista ao canal do Fabiano Bandeira no YouTube.

Final contra o Barcelona

Apesar do público aquém do esperado – cerca de 10 mil pessoas -, Botafogo e Barcelona estava recheado de expectativas. O Botafogo conseguiu sair na frente com Marinho, aos 21 minutos – Gottardo iniciou a jogada do chute de Carlos Magno, quando Recarte salvou em cima da linha antes do ponta estufar as redes. Os catalães pressionaram, perderam um pênalti com Carrasco, e o Fogão saiu campeão.

– Foi um jogo muito intenso, muito cansativo, o Barcelona estava cheio de energia e pressionou muito, mas conseguimos fazer o gol com o Marinho. Foi um jogo muito difícil. Tomamos pressão em alguns momentos, e após do jogo foi uma alegria diferente. Comentei com o Emil Pinheiro: “Esse aqui foi o primeiro de muitos”. Foi o primeiro título. Comentei na ocasião: “Quebramos a porteira e virão outros”. E aconteceu – lembrou o “profeta” Gottardo.

Jornal dos Sports noticia título do Botafogo sobre o Barcelona em Mallorca

‘Botafogo já pensa até em ser campeão’

Falando da chegada da delegação alvinegra no Brasil, após mais alguns amistosos na Espanha e em Portugal, o Jornal do Brasil estampou a seguinte chamada: “Botafogo já pensa até em ser campeão”. O Jornal dos Sports escreveu: “Nem parecia um time que não vê um título há 20 anos. Confiantes, os jogadores voltam a falar em títulos, sem gaguejar, com segurança e certeza de que o trabalho está fluindo pelo caminho certo’.

– Esse é o Botafogo dos meus sonhos – exclamou Emil Pinheiro, vice-presidente de futebol e patrono do time, naquela oportunidade.

De fato, a partir daí aquela geração conhecida como “Os Cavaleiros da Esperança” pôs fim ao jejum e ganhou dois títulos estaduais em sequência, 1989 de forma invicta e 1990. Wilson Gottardo ainda faria parte da maior glória da história alvinegra, como capitão: o título brasileiro de 1995.

Recorte do Jornal dos Sports após a chegada do Botafogo campeão do Torneio Palma de Mallorca em 1988

FICHA TÉCNICA
BARCELONA 0 x 1 BOTAFOGO

Data-Hora: 13/08/1988 – 17h30 (horário de Brasília)
Estádio: Lluís Sitjar, em Mallorca
Árbitro: Victoriano Sánchez Arminio (ESP)
Público: 10.000 torcedores aproximadamente
Cartões amarelos: Milla (BAR); Gilmar e Vitor (BOT)
Gols: Marinho 21’/1ºT (0-1)

BARCELONA: Zubizarreta; López Recarte, Serna, Milla e Julio Alberto; Eusebio (Urbano 11’/2ºT), Roberto e Beguiristain; Carrasco, Julio Salinas e Soler (Roura 22’/2ºT) – Técnico: Johan Cruyff.

BOTAFOGO: Ricardo Cruz; Josimar, Wilson Gottardo, Mauro Galvão e Renato Martins; Luisinho, Vítor e Carlos Magno; Marinho, Mazolinha e Gilmar – Técnico: João Batista Pinheiro.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do Fabiano Bandeira