A seleção brasileira ganhou um novo hit para esta Copa do Mundo. Depois de “Mil Gols” quatro anos atrás, “O único penta é o Brasilzão” vem agitando os estádios na Rússia 2018. Mas você sabe a origem da música? Uma provocação entre torcedores cariocas estaria por trás da letra que embala o Canarinho Pistola.

Cuca ensinou a jornalistas e Seedorf que a música é da torcida do Botafogo. Relembre!

FOGÃONET contou a história do Fogo Olê Olê Olê, verdadeira inspiração!

Na letra criada pelo “Movimento Verde Amarelo”, craques que construíram a história do pentacampeonato são exaltados. Em estádios no Rio, no entanto, a provocação em geral caía sobre os botafoguenses e, segundo flamenguistas, pela pequena torcida que não seria capaz de lotar os estádios. Os botafoguenses, por sua vez, dizem que essa é uma paródia da “Fogo, olê”, que também ressalta a história do Glorioso.

Letra da música da seleção brasileira

Éééé em cinco oito [58] foi o Pelé
Em meia dois [62] foi o Mané
Em sete zero [70] o esquadrão
Primeiro a ser tricampeão
Oôôô 94, Romáriôôô
2002, Fenomenôôô
Primeiro tetracampeão
Único penta é o Brasilzão
Ôôôô Brasil olê, olê, olê (4x)

Letra da música cantada por flamenguistas

Iííí lá no Maraca eu nunca vi
No Engenhão nunca foi lá
Os jogadores todos choram
Não têm torcida pra apoiar
Eêêê, cadê você, cadê você? (4x)

Os botafoguenses ouvidos pela reportagem em Moscou garantem não ligar para a provocação. Alguns presentes no Estádio Luzhniki inclusive garantem ganhar sem problemas a música que “já irritou nas arquibancadas” do Maracanã.

“É indiscutível que o Botafogo é o time que mais contribuiu com as três primeiras conquistas da seleção brasileira. O maior número de jogadores, e os principais, saíram do Botafogo. A exceção, claro, foi o Pelé”, disse Felipe Renault, que desfilava com a camisa do time.

“A gente até cantava para eles [flamenguistas] que eles não tinham estádio. Eles tem aquele Urubuzão lá, mas não conta. O Nilton Santos é melhor”, completou Caio Cuenca, com um boné do time da Estrela Solitária.

Na chegada da seleção brasileira a Moscou, cerca de 300 torcedores estavam na porta do hotel apoiando a equipe verde-amarela. O Canarinho Pistola era o verdadeiro “ritmista” do qual Tite tanto fala, mas Fernando Pontes comandava a bateria. Ele explicou que as provocações regionais não foram levadas em conta e que é uma letra de união.

“A música foi a forma que encontramos de criar algo diferente. A gente precisava disso. A nossa seleção precisava da nossa força nas arquibancadas. É uma letra de união, união de todas as torcidas aqui na Rússia”, disse. Pontes.

O Brasil enfrenta a Sérvia nesta quarta-feira (27), no Estádio Luzhniki, pela última rodada do Grupo E. O Brasil lidera a chave com quatro pontos – o mesmo número da Suíça, que enfrenta a Costa Rica, em Nizhny Novgorod.

Fonte: R7 (texto) e Redação FogãoNET (título)