Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

X

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Foco na S/A: Botafogo trava buscas por jogadores de peso

0 comentários

Compartilhe

Ex-Middlesbrough, Obi Mikel foi descartado pelo Botafogo
Reprodução/Middlesbrough

O Botafogo tomou um baque com a recusa de Yaya Touré. O clube, contudo, já deixou a questão do marfinense para trás e busca seguir em frente. De qualquer forma, o Comitê Executivo de Futebol do Alvinegro tenta tirar lições das negociações com o meio-campista de 38 anos. Uma delas é valorizar o atual elenco e “preparar o terreno” para a chegada da S/A.

Internamente, alguns dirigentes entendem que o processo de clube-empresa está nas fases finais. Apesar de não trabalharem com nenhum tipo de prazo, a questão dos investidores iniciais está praticamente resolvida e agora tudo passa pela parte burocrática para o início da profissionalização do departamento de futebol.

Desta forma, o Botafogo vai congelar as negociações grandes que estavam acontecendo. Além de Yaya Touré, outro nome que havia sido oferecido e agradado foi o de Obi Mikel, ex-Chelsea. O nigeriano era, inicialmente, tratado como uma espécie de “plano B” pela diretoria. Mesmo com o fracasso nas tratativas com o marfinense, a diretoria, por ora, não deve manter as conversas com o outro volante.O contato com Mikel foi pré-estabelecido anteriormente e não vai acabar, mas a diretoria do Botafogo não pretende, agora, avançar nessas questões. Se for um desejo dos administradores da S/A no futuro, o Botafogo pode voltar à carga pelo nigeriano.

Enquanto isto, vale ressaltar, a realidade continua para o Botafogo sem S/A. O clube ainda busca maneiras de quitar os salários atrasados – dois meses para jogadores e funcionários – e corre para evitar novos desligamentos no quadro de colaboradores durante a paralisação das competições.

O foco é para “arrumar a casinha” naquelas que podem ser as últimas semanas sem a profissionalização do departamento de futebol.

Fonte: Terra

Comentários