Até meados do ano passado era G4 e eventualmente G5. Uma mudança no regulamente transformou a sigla do grupo de times que vão para a Libertadores para G6 às vezes G7, como acontece neste ano. E o Botafogo é uma das equipes dentro deste grupo, pois o Cruzeiro, quinto, venceu a Copa do Brasil e abriu nova vaga.

Mas esta temporada pode ter uma nova peculiaridade: até noves times do Brasil têm chances de estar na competição continental do ano que vem. Isso porque o Grêmio, que ganhou de 3 a 0 no primeiro jogo da semifinal da Libertadores, fora de casa, pode ser campeão e estender para G8. Na Sul-Americana, o Brasil tem outros três representantes: os rivais Fla e Flu, que se enfrentam em uma das quartas de final, e o Sport. Se um deles ganhar, vira G9.

Do quarteto de times com chances de título internacional, o Grêmio é o mais perto do título e o com mais chances de se classificar via Brasileirão. O time gaúcho está em quarto, com 50 pontos. O Rubro-Negro Carioca é o sétimo, com 46 e o Pernambucano está em 15°. O Fluminense é o 13°.

Apesar das grandes chances, o atacante Brenner pede concentração única e exclusiva no Botafogo. Nada de torcer para o sucesso de outros brasileiros, o que ajuda o time, e nem secar rivais ou o time que eliminou o Glorioso da Libertadores. É foco.

– Eu nem assisti ao jogo do Grêmio. Tomei um banho e fui dormir. Estamos em fim de temporada e vivemos futebol o ano todo… A cabeça está no Botafogo. Temos que fazer a nossa parte, independente de quem vai ganhar a Sul-Americana e a Libertadores – opinou.

Alheio, portanto, à possíveis futuras extensões no grupo de acesso à Libertadores, o Botafogo está em sexto, com 47 pontos. No domingo, o time de Brenner e Jair Ventura enfrenta o Atlético-MG, fora de casa.

Fonte: Terra