Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

X

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Impacto da pandemia no futebol brasileiro é de R$ 4 bilhões, estima CBF

0 comentários

Compartilhe

Impacto da pandemia no futebol brasileiro é de R$ 4 bilhões, estima CBF
Lucas Figueiredo/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) estima que, até agora, a pandemia da Covid-19 possa ter causado um impacto de cerca de R$ 4 bilhões na economia da modalidade no país, devido à paralisação do calendário.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Em entrevista à blogueira do UOL Esporte Marília Ruiz, o secretário-geral da entidade, Walter Feldman, falou sobre os efeitos da crise no ecossistema do futebol brasileiro. O cálculo da cifra bilionária é possível graças a um estudo que a CBF encomendou para avaliar qual o impacto da modalidade na cadeia produtiva nacional.

“[O estudo] é um elemento muito importante, Nunca tinha sido feito. Em números genéricos, o futebol corresponde a 0,72% do PIB brasileiro. Ou seja, é uma atividade econômica relevante, de cerca de R$ 54 bilhões na movimentação na nossa economia”, disse o ex-deputado federal. “São mais de 150 mil empregos conquistados diretamente em nossa cadeia.”

A CBF ainda não trabalha com um prazo para o retorno das competições no país. Por isso, ainda não consegue dimensionar qual o tamanho do rombo nas finanças do futebol nacional causado pela crise. “O impacto nesse momento seria algo semelhante a R$ 4 bilhões, que esperamos recuperar com um, digamos, rebote quando pudermos retomar nossas atividades.”

Feldman afirmou também que a CBF só vai encaminhar um retorno das competições seguindo um alinhamento com autoridades da saúde. Veja a entrevista na íntegra no vídeo acima.

Fonte: UOL

Comentários