Time alternativo? Jair Ventura já deixou claro que não: buscará a liderança do Grupo 1 praticamente com força máxima hoje, contra o Estudiantes, na Argentina.

Os números mostram que ele tem motivos para isso: desde 2000, quando a Libertadores passou a ter oito grupos e 32 equipes na primeira fase, 61% das equipes que se classificaram em primeiro de seu grupo avançaram na etapa seguinte, as oitavas de final. Ao se observar os títulos, os números chamam ainda mais a atenção: nas últimas 16 edições, 11 dos campeões terminaram a fase de grupos na liderança – quase 70%.

Há explicações para os dados. A equipe que vai bem na primeira fase enfrenta os times que tiveram mais dificuldades para se classificar – o que, em geral, é uma vantagem. E também o principal: as decisões são disputadas no estádio de quem teve melhor campanha. Em um campeonato como a Libertadores, em que o fator casa tem um peso especial, esse é um trunfo considerável.

No momento, o Botafogo ocupa a segunda colocação do grupo 1 pelo número de gols marcados: tem seis, contra sete do Barcelona — os dois têm o mesmo número de pontos e saldo de gols igual. Amanhã, os dois clubes jogarão no mesmo horário — o Botafogo só precisa vencer por uma diferença de ao menos um gol a mais do que a equipe equatoriana para ser líder do grupo.

Devido a uma mudança no regulamento da cometição, o adversário do Botafogo nas oitavas será definido por sorteio – só se sabe que primeiros colocados enfrentam segundos, diferente de edições anteriores, em que a equipe que se classificava com a melhor campanha enfrentava a pior classificada, e daí em diante. A partir das oitavas, os cruzamentos serão pré-definidos.

Fonte: Extra Online