Não é novidade o fato de o Botafogo estar sufocado financeiramente. Bastante irritado, o elenco está com dois meses de salários atrasados e não tem concedido entrevistas coletivas, exclusivas ou realizado ações de marketing por conta das dívidas. Tem sido assim desde quarta-feira passada.

O retorno do Brasileiro está batendo na porta e, até o momento, a diretoria não tem trabalhado com prazos em relação aos pagamentos, algo que mais tem chateado os jogadores atualmente.

Reuniões sobre o tema têm sido feitas no Estádio Nilton Santos e contado com cinco líderes do plantel. Eles também estão responsáveis por informar aos dirigentes quais são os outros atletas que têm passado por maiores apertos – como os garotos oriundos da base.

Anderson Barros, gerente de futebol, está à frente das conversas. O grupo ficou sabendo que a ausência de prazos se dá muito pela irritação por datas limites anteriores não terem sido cumpridas. O clube admite que é uma “frustração muito grande” o não pagamento e que os jogadores estão no seu direito.

NADA DE IR AO MERCADO

Na última quarta-feira, Biro Biro foi anunciado oficialmente. Porém, por conta da “lei do silêncio”, não tem data para ser apresentado à imprensa – é provável que isto ocorra após a sua estreia, já que está regularizado e pode atuar neste domingo, contra o Cruzeiro.

Aliás, por falar em reforço, o meia-atacante que estava no São Paulo deve ser uma exceção neste período. Isto porque, como há indeterminação quanto aos vencimentos, o Botafogo considera injusto ir ao mercado, e inclusive fala em “inviabilização” de novas contratações diante do atual cenário.

A sala de imprensa, contudo, voltará a ser utilizada. Nesta sexta-feira, Eduardo Barroca concederá entrevista coletiva, como é de praxe antes dos jogos. Cabe salientar que, para o duelo diante do Cruzeiro, os seus comandados irão se concentrar normalmente antes de embarcar para Minas Gerais, na noite deste sábado. O desafio do técnico será manter o foco do elenco no fator campo.

Fonte: Terra