Nesta segunda-feira (29), o técnico Jair Ventura teve a sua primeira derrota no comando do Botafogo, desde que foi efetivado. Em sua terceira partida, o comandante perdeu para o Atlético-PR, por 1 a 0, na Arena da Baixada, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Entretanto, na coletiva depois do confronto, Jair garantiu que está satisfeito com a atuação dua sua equipe.

“O futebol tem dessas coisas. Criamos mais que o adversário, tivemos mais passe de bola (58%), finalizamos 13 vezes contra 10 do Atlético-PR… Sofremos um gol de bola parada, algo que treinamos bastante. Mérito do Atlético-PR, não dá para ficar lamentando. Estou triste com a derrota, mas feliz pela performance. O treinador tem sempre que cobrar performance, só assim para o time evoluir. O resultado tem variáveis que você não pode controlar. Teremos uma sequência de jogos boa em casa. Estou triste com a derrota, mas de cabeça erguida. Assim como não ficamos eufóricos com as duas vitórias, não vamos nos abater com essa derrota”.

Palco do jogo do Botafogo, a Arena da Baixada, utiliza a grama sintética, fator que chamou a atenção de Jair Ventura e recebeu críticas do treinador.

“Seria uma hipocrisia falar que não. Sim, a gente começa um jogo muito difícil, tentando se adaptar e toma o gol com sete minutos com a bola ainda muito mais viva do que o normal. Eu joguei um Mundial Sub-17, não querendo botar desculpa, nós perdemos a semifinal para o Uruguai, não foi nem por causa da grama, mas durante a competição tivemos jogadores que não conseguiam terminar a partida com bolha, para quem joga futebol sabe que é diferente. Mas enfim, a Fifa, todo mundo deixa jogar, é um caso atípico porque é o único do Brasil, mas paciência. Já passou e vamos pensar no próximo jogo”.

Questionado se o gramado fosse o natural, utilizado nos demais estádios do Campeonato Brasileiro, Jair Ventura preferiu não fazer previsões e evitou o ‘se’.

“Eu nunca vou chegar aqui e botar uma derrota por causa de uma única situação, é uma série de situações. O Atlético-PR tem o mérito deles, fizeram o gol, mas que o jogo é diferente, como falei, é diferente. Não sei se a bola iria entrar. De repente tem jogo que você joga prorrogação e tudo sendo superior, massacra, tem maior volume, e a bola não entra. Não vejo como fator determinante, não”.

Confira abaixo outros trechos da entrevista coletiva do treinador:

 

Ainda acha que o Botafogo tem muito a evoluir?

“Não é questão de gostar, a gente sempre vai buscar uma evolução. Tira de lição de que a gente trabalha mas não consegue determinar sempre todas as coisas que acontecem dentro da partida. A equipe do Atlético-PR fez um gol de bola parada, enfim… Nós fomos superiores na partida, em posse de bola, em número de finalizações, agora é traduzir isso. Tenho certeza de que na próxima partida vamos ter uma sorte melhor”.

Fonte: Esporte Interativo