O grande investimento do Botafogo para 2018 foi Luiz Fernando. Introvertido fora de campo, mas com personalidade muitas vezes inversa dentro das quatro linhas, o ponta começou de maneira discreta, mas logo mostrou utilidade. Tanto que fez um gol emblemático e foi titular quase sempre. E quer mais no ano que já vai começar.

Em entrevista exclusiva ao LANCE!, Luiz Fernando fez uma análise do seu desempenho ao longo da temporada, a primeira defendendo as cores do Botafogo após surgir no Atlético-GO. O jogador ressaltou que o 2018, de maneira pessoal, foi positivo já que se desenvolveu em uma nova rotina.

– Esse ano, pessoalmente, foi extremamente positivo. Pude me desenvolver como jogador, me adaptar a uma nova rotina, um novo ambiente… sabia que não seria fácil me adaptar e evoluir, mas, com a ajuda dos meus companheiros e de todos que me apoiam no dia a dia, eu felizmente consegui. Sei que ainda tenho muito o que desenvolver e aprimorar ao longo dos próximos anos, mas acredito estar no caminho certo – avaliou o jovem jogador, de 22 anos.

Foram sete gols em 54 partidas, fora atuações importantes ao longo do ano. Assim como praticamente toda a equipe alvinegra, alternou sofreu para ter um desempenho positivo com frequência. E ele acredita que a chave para um ano novo de sucesso para a equipe passa por isso.

– Precisamos ter mais equilíbrio e consistência. Começar o ano bem e manter a pegada. Pela capacidade do clube e do elenco, tenho certeza que teremos um ano vitorioso pela frente – acredita o jogador.

A confiança se mostra uma das marcas de Luiz Fernando. Ao buscar as jogadas e ao comemorar, como se viu. Tanto ele quanto a torcida esperam mais em 2019.

BATE-BOLA 
LUIZ FERNANDO
EXCLUSIVO AO LANCE!

‘Sempre tive confiança’

Você é cria das categorias de base do Atlético-GO e foi contratado pelo Botafogo no início deste ano. De um posto do centro-oeste para o Sudeste, com maior visibilidade, e uma equipe de maior pressão, chegou em algum momento a temer não se adaptar no Botafogo?
É claro que bate a dúvida, o medo. Mudar de ares e encarar desafios em nossas vidas nunca será fácil. Mas eu sempre tive muita confiança em mim e na minha capacidade de vencer os obstáculos que acabam surgindo.

Depois de um ano intenso defendendo as cores do Botafogo, você traça metas para o próximo ano?
Sim, traço metas sim para a próxima temporada, tanto de forma coletiva como individual. Quero melhorar e evoluir sempre. Estou em um time grande, o que me orgulho e me traz grandes responsabilidades.

Das sete bolas que fez os goleiros buscarem no fundo da rede neste ano, uma não será esquecida tão cedo pelos torcedores. Era semifinal do Campeonato Carioca, contra o Flamengo. Na semifinal da Taça Guanabara, Vinícius Júnior havia feito a comemoração “chororô” após marcar um gol e causou polêmica. Você, jogador do Botafogo, então, retribuiu com o gol que eliminou o Rubro-Negro do estadual e tampando o nariz. Era o fim do “cheirinho”, no fim do primeiro tempo. O que lembra da ocasião? Acredita que tinha chance de a equipe sair derrotada depois de então naquela oportunidade?
Não (havia chance), estávamos muito focados e confiantes nesta disputa que você citou. A gente não ia deixar o ritmo e a concentração caírem de jeito nenhum para conquistarmos os objetivos do Botafogo.

Fonte: Terra