O número de 18.450 torcedores presentes neste sábado, na vitória do Botafogo sobre a Chapecoense, pode estar aquém da capacidade alvinegra, mas a energia que veio da arquibancada nos momentos mais difíceis da partida foi elogiada pelo técnico Vágner Mancini e seus jogadores. Na próxima quarta-feira, contra o Ceará, e no domingo, contra o Santos, eles esperam contar mais uma vez com a ajuda da torcida. A expectativa agora é pela repetição da promoção de ingressos, entre R$ 20 (meia-entrada a R$ 10) e R$ 50, mas o clube ainda não divulgou os valores.

– Essa é uma equipe que briga, honra a camisa e o torcedor gosta de ver. Vamos ter mais gente. Hoje (sábado), foram quase 20 mil. Na quarta, espero que o número dobre. No domingo, que tenha lotação máxima para fazer do Maracanã o nosso caldeirão e que a torcida jogue junto – pediu Mancini. – Quando o jogador se sente incentivado, ele se enche de brio. Eu disse que essa semana era para fazer nove pontos. Faltam seis e contamos com a ajuda do nosso torcedor.

Do início do jogo até os 31 minutos, quando Ramírez marcou o gol da vitória, a arquibancada empurrou o time ao ataque. No fim da partida, pressionado pela Chapecoense, que quase marcou, mais uma vez os torcedores cantaram muito.

– A torcida tem que ser exaltada e muito. Fez um espetáculo maravilhoso, lotou a parte de trás do gol e deu demonstração muito grande de carinho. Isso repercurte de maneira positiva dentro de campo – acrescentou.

Aírton e Daniel deixaram o campo com dores e são dúvida para a partida de quarta-feira. No lugar do volante, Bolatti é o substituto natural. No ataque, Emerson Sheik deverá jogar ao lado de Tanque Ferreyra. Mancini aproveitou para elogiar o adversário da Copa do Brasil e ressaltou a mudança do tipo de competição.

– Vamos ter que virar a chave porque é uma disputa diferente: são dois jogos, ou um de 180 minutos. O emocional fala muito e temos que saber jogar – avisou o técnico. – Vamos pegar um time que está na Série B, mas que é muito traiçoeiro. Tem dois atacantes que sabem fazer gol. Fui atleta e técnico do Ceará, tenho amigos lá e estava acompanhando o time o tempo inteiro. Não tenho dúvidas de que o Ceará vai ser tão difícil quando um time da Série A. Precisamos ter muito cuidado. No primeiro jogo é importante não sofrer gols para chegar com vantagem na volta porque isso repercute em termos emocionais.

Fonte: O Globo Online