A Botafogo S/A, projeto que pretende alçar o Alvinegro a um novo patamar, é a grande esperança da torcida botafoguense. A expectativa pelo novo modelo de gestão é tanta, que transborda e chega até o elenco de atletas profissionais. Nesta terça, o lateral Marcinho projetou a realidade do clube a partir da implementação da Botafogo S/A.

Apesar da euforia das arquibancadas, Marcinho prefere manter os pés no chão e não acredita em mudança imediata em 2020.

— Vacas gordas eu não sei, mas o que dá para esperar é mais segurança e organização. Espero que seja um ano de bons frutos e muitas glórias, tudo com os pés no chão e trabalho. Não vai ser de uma hora para a outra, futebol não é assim, até pode ser, porque sempre nos surpreende. Temos que trabalhar bastante e buscar os objetivos passo a passo – lembrou.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Confira mais declarações do lateral do Botafogo:

Sensação de garantir a permanência com a vitória do Vasco sobre o Cruzeiro

— Acho que posso definir como alívio. Lutamos muito e acho que merecemos isso. Não foi pela gente, mas por outros resultados. Conseguimos a tranquilidade com duas rodadas de antecedência para fazer um jogo mais leve contra o Atlético-MG, que também vale vaga na Sul-Americana.”

Briga pela Copa Sul-Americana

— Vale muito. Isso traz dinheiro e é importante para o clube. Importante para a torcida ter pelo que brigar. É de bastante valor uma boa classificação e almejar coisas maiores.

Segundo turno abaixo da expectativa

— É um resumo do que é o futebol, é aquela roda gigante, então acho que essa oscilação é normal. Não queríamos, mas aconteceu e conseguimos reverter. Acho que no todo nosso campeonato foi positivo.
Avaliação pessoal da temporada

— Acho que no todo meu ano foi positivo. Passei por um período de dificuldade, mas graças ao apoio de todos eu consegui reverter. O clube e o grupo estiveram do meu lado. Tive essa volta por cima pelas pessoas que estavam ao meu lado. Essa vitória é minha, mas não conseguiria sem essas pessoas.

Postura contra o Atlético-MG

— A nossa postura é de um jogo como se fosse uma final, maior determinação possível. Garra, força e determinação. Não podemos perder isso. O jogo é como se fosse o jogo da nossa vida, a cabeça não vai mudar.

Fonte: Fogo na Rede