Para o bem e para o mal, o time do Botafogo desafia a lógica. Para o bem porque o clube se superou nos seus momentos mais difíceis, como durante a pré-Libertadores (em que se classificou duas vezes com alguns desfalques e contra adversários dificílimos) ou na arrancada do Brasileiro do ano passado. Para o mal porque, quando o torcedor fica mais confiante, a equipe tem derrotas inesperadas. A da última segunda-feira, para o Avaí, então lanterna, em pleno Engenhão, é um exemplo.

Não é só uma sensação: os números comprovam essa tendência. Até aqui no Campeonato Brasileiro, nas nove últimas rodadas, o Botafogo teve aproveitamento de 87% contra equipes que estavam melhor posicionadas do que ele na tabela (quatro vitórias, um empate e nenhuma derrota). Já contra os times que estavam pior na classificação, o aproveitamento cai para 17% (nenhuma vitória, dois empates e duas derrotas). A primeira rodada foi excluída deste levantamento pois todos os clubes estavam empatados com zero ponto.

Nas três vezes em que enfrentou equipes no G4 (Ponte Preta, Coritiba e Chapecoense), venceu duas e empatou uma (contra o Coxa). Já nos dois jogos contra equipes que ocupavam a zona de rebaixamento, foram uma derrota e um empate (contra Avaí e Vitória, respectivamente).

No Brasileiro do no passado, algo parecido ocorreu: no segundo turno, durante a arrancada rumo à zona de classificação para a Libertadores, o Alvinegro foi derrotado em casa pela Chapecoense, que brigava para não cair, e, fora, pelo lanterna América-MG.

Fonte: Extra Online