O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, voltou a afirmar que não dará trégua na briga para manter o volante Willian Arão e fazer valer o que foi acordado em contrato. O Fogão pagou os R$ 400 mil previstos para ativar a cláusula que renova de forma automática o contrato do jogador até 2017. Por sua vez, o volante recusou o depósito, o que é ilegal segundo o clube.

– Não tem surpresa alguma. A postura do pai dele (Flávio Arão), nesse tempo todo, vem sendo assim. Acho que ele queria apenas ganhar tempo, mas agora está vendo que o Botafogo é de verdade. Eles vão ter que cumprir o que assinaram – afirmou Carlos Eduardo Pereira ao Globoesporte.com.

Autor do gol do título do Botafogo, na vitória sobre o ABC, Willian Arão estaria apalavrado com o Flamengo, que ofereceu um salário de R$ 150 mil – o Alvinegro havia aumentado sua proposta para R$ 130 mil. Mas, diante de todo esse imbróglio, a questão agora será resolvida na Justiça do Trabalho.

Fonte: Globoesporte.com