A derrota para o Atlético-PR por 1 a 0 esfriou os ânimos do Botafogo, que vivia seu melhor momento neste Campeonato Brasileiro. Mais do que isso, expôs problemas que atormentaram o time no começo da competição e já pareciam superados.

Depois de sofrer um gol nos primeiros minutos, o Alvinegro impôs seu ritmo e esteve bem mais perto de conseguir o empate do que de ver o adversário ampliar a vantagem. Mas lá estava a dificuldade de transformar o domínio em gols. Com 53% de posse de bola, o time de Jair Ventura finalizou 12 vezes (duas a mais que o Furacão), mas Sassá e Neilton, artilheiros da equipe no Brasileiro, não estavam em boa noite.

Diante de um time aplicado na marcação, o Botafogo recorreu às bolas altas: foram 29 cruzamentos. Mas só cinco foram feitos de forma correta. Na rodada anterior, quando fez 3 a 0 no Sport, a equipe havia cruzado pouco mais da metade (15).

Embora o resultado não tenha sido o desejado, o Botafogo considera positivo o fato de ter se imposto diante de um adversário em melhor posição na tabela – o Furacão é oitavo, e o Alvinegro, 13º. Depois de o técnico Jair Ventura se dizer satisfeito com a atuação da equipe, foi a vez de o meia Camilo indicar o caminho:

– Temos que continuar jogando da mesma forma, com movimentação. Criamos boas chances, o Jair vem fazendo um grande trabalho – analisou o camisa 10.

Bater um adversário mais forte será novamente a missão do Botafogo, no domingo, quando encara o Grêmio, em jogo adiado do Brasileiro. Antes, o Alvinegro recebe o Cruzeiro, amanhã, na Ilha do Governador, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

Fonte: Extra Online