Campeão na base, convocado para a Seleção Brasileira sub-15, campeão e artilheiro do time no título brasileiro sub-20 em 2006, Renan Gorne não conseguiu repetir o desempenho no profissional. Ele teve apenas uma oportunidade, com Jair Ventura, no empate em 2 a 2 com o Coritiba. Hoje no Confiança, de Sergipe, sonha com o retorno.

– Seria um prazer imenso voltar. Sou muito grato à instituição por ter aberto as portas do futebol para mim. Gostaria sim de atuar e vestir novamente a camisa do mais tradicional – afirmou Renan Gorne ao site “Globoesporte.com”.

Com três gols em sete jogos no Confiança em 2020, Renan Gorne está com 24 anos e passou por North Carolina FC-EUA, Paysandu e Volta Redonda, além do Botafogo. Ele acredita que poderia ter história diferente.

– Posso ter tido um pouco de dificuldade bem no começo, mas sempre me dediquei ao máximo, sempre fui muito chato, no bom sentido, para melhorar. Acho que poderia ter jogado um jogo ou outro do Carioca, mas a chance não veio. Fui emprestado ainda em 2017 para o North Carolina FC, fui muito bem e talvez ali tivesse sido o melhor momento para começar quem sabe um 2018 diferente, com uma passagem por um clube internacional. Mas não. Me forçaram a ser emprestado novamente e assim foi até o fim do meu contrato – lamentou.

Renan Gorne lembrou ainda a partida contra o Coritiba, em 2007.

– Aquele jogo foi muito especial. Realizei meu sonho de atuar pelo Botafogo. Acredito não ter tido um mal desempenho. Confesso que deu um frio na barriga, normal numa estreia, mas que passou logo. Criei uma boa situação que lembro, mas o jogo acabou empatado. Talvez, se outras oportunidades fossem dadas antes ou até mesmo depois, eu conseguiria demonstrar mais do que fiz naquela partida. Queria poder de alguma forma retribuir todo esse carinho dos torcedores comigo. Sou muito grato a todos pelas mensagens positivas que me mandavam – completou.

Fonte: Globoesporte.com