O Conselho Deliberativo do Botafogo se reuniu nesta terça-feira, na sede de General Severiano, com o objetivo de debater a “pauta Investidores”. O projeto, é claro, diz sobre o processo da criação de uma empresa, a partir da entrada de investidores, para gerir o futebol, o separando da parte social. Todos os passos, desde a encomendação do estudo feito pelos irmãos Moreira Salles junto a Ersnt & Young até a captação de possíveis parceiros de mercado, foram mostrados aos presentes.

Não houve nenhum tipo de votação ou possível mudança de estatuto para permitir a entrada de investidores no Botafogo. A reunião foi convocada para simplesmente mostrar todos os detalhes do processo que pode profissionalizar o futebol do Glorioso em 2020. Foi uma longa conversa liderada por uma nova figura neste universo: Laércio Paiva, empresário que se apresentou como um dos idealizadores do projeto e, até então, não havia aparecido.

A intenção foi mostrar em qual pé está o projeto da criação da Botafogo S/A aos conselheiros. Quando o projeto ficar pronto, o que pode acontecer ainda em outubro, será a vez de procurar investidores – atualmente, existem empresas estrangeiras interessadas, mas nada concreto – e convocar uma nova reunião extraordinária do Conselho Deliberativo para aprovar ou não a mudança no estatuto do clube.

– Meu compromisso com todos vocês é fazer o possível e impossível para honrar os nossos resultados. Agora, faltam outros sete resultados para a gente alcançar o nosso objetivo máximo. Nossa missão não é simples, não é só montar uma SPE (Sociedade de Propósito Específico). Temos que cumprir várias atividades em perfeita sintonia para termos sucesso total. Só não podemos deixar faltar o nosso papel. Todos que tocam esse projeto são de primeira linha. Vai dar certo? Depende de uma série de fatores acontecerem de uma forma perfeita. Mas nosso papel é fazer dar certo – comentou Laércio, durante a reunião.

Durante a abertura de perguntas, Sérgio Cerqueira, conselheiro, afirmou que não é favor de colocar 100% do futebol disponível para os possíveis novos investidores, mas que é a favor da S/A. Outras figuras, como Cacá Azeredo, ex-VP de futebol, André Barros, ex-candidato a ser deputado do Rio de Janeiro, e José Victor, grande benemérito, reafirmaram a confiança na profissionalização.

Luiz Felipe Novis, vice de finanças, também esteve presente no evento. Durante sua vez nos microfones, o dirigente fez questão de ressaltar as dificuldades financeiras vividas pelo Botafogo, que não recebeu, de acordo com ele, nenhuma renda vinda da Globo, pelas cotas de televisão, em 2019, mas vê uma luz no fim do túnel que pode atrair os investidores para o presente e o futuro.

– Outra expectativa da área financeira é que esse trabalho do Botafogo (criação da S/A) pretende seguir, que eu particularmente acho que vai dar certo, vá motivar investidores não apenas para 2020. Se ainda este ano a gente conseguir apresentar ao mercado, pode ser que aportem ainda este ano. Hoje trabalhamos em duas frentes: apoio ao projeto, com ideias, sugestões. Agora, em paralelo, não podemos parar em 2019. É um dever que temos e que vamos superar. – colocou o dirigente.

Laércio Paiva, responsável por mostrar as diretrizes do projeto aos presentes, fez questão de ressaltar a importância dos irmãos Moreira Salles na questão da criação do clube-empresa. Grande parte dos conselheiros também agradeceu à postura de João e Walter, que convocaram o estudo das finanças do Botafogo junto a Ersnt & Young.

– Os irmãos Moreira Salles tiveram uma participação importante, suscitaram o debate. Temos que agradecer muito a eles por essa provocação. A participação deles se encerrou com a entrega do estudo. Agora cabe a nós criar o motivo (Business Plan) para encantá-los – afirmou o empresário.

Apesar de diferentes opiniões terem sido apresentadas durante a reunião e da insatisfação vinda de uma parte dos conselheiros junto ao presidente Nelson Mufarrej e os dirigentes do clube pelas dificuldades financeiras, o clima do encontro foi tranquilo. Nenhum relato de confusão foi registrado e o evento foi marcado pela compreensão.

Fonte: Terra