Novo vice-presidente de futebol do Botafogo após a saída de Gustavo Noronha, Ricardo Rotenberg explicou como será sua nova função, que acumulará com a vice-presidência comercial e de marketing. Ele concedeu entrevista ao Canal do TF.

– Encaro como uma missão que não poderia dizer não. Fui convidado a assumir esses sete jogos. Vou tentar ajudar para que o Botafogo fique na primeira divisão, que termine o campeonato da maneira mais digna possível. Sou VP comercial, estou à frente de vários projetos, inclusive captar investidores para a Botafogo S.A, que é a minha prioridade até então. E agora vou ter que me esforçar um pouco mais e acompanhar um pouco mais o Botafogo no futebol também. O que já não faço há 11 anos, quando trabalhei na gestão do Bebeto (de Freitas) – disse.

O dirigente não quis fazer promessas, mas ressaltou a importância da torcida para ajudar a equipe a escapar do rebaixamento para a Série B. Para isso, prometeu trabalhar pela manutenção dos preços populares nos jogos no Estádio Nilton Santos – os bilhetes dos setores Leste têm custado R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) e recebido ótimos públicos.

– Não posso prometer nada de Botafogo continuar ou não permanecer na Série A. Mas o que posso garantir aos botafoguenses é que não me faltará esforço para tal. Quero colaborar e passar tranquilidade ao elenco do Botafogo. Acho que nós temos uma chance boa. O que eu luto muito é para que o torcedor possa estar no Nilton Santos apoiando o Botafogo. Para isso, tem que ter preços populares. Por isso vou continuar lutando – explicou, comentando em seguida:

– Termino a minha missão no dia 8 de dezembro, às 20h, quando terminar o jogo Botafogo x Ceará, no Nilton Santos. Com pensamento positivo de que estaremos na Série A, quem sabe até numa posição com alguma folga. Eu não entro em campo. O que eu posso fazer é entender um pouco os problemas e tentar resolvê-los se eu puder. Meu papel é dar tranquilidade à comissão técnica e aos jogadores. Estou aí para colaborar sem a menor pretensão. O bom botafoguense não foge à luta.

Fonte: Canal do TF e Fogo na Rede