A situação do Botafogo é delicadíssima e urgente, segundo afirmou nesta terça-feira o ex-presidente Carlos Augusto Montenegro, um dos membros do recém-criado Comitê de Executivo de Futebol. Além das declarações de que o clube está na “UTI”, Montenegro revelou que, se pudesse, o Botafogo pediria licença das competições de 2020 devido à falta de dinheiro – isso, porém, implicaria numa série de suspensões e numa perda incalculável de recursos.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

– Se eu pudesse, pediria à Ferj, à CBF, para o Botafogo não participar de nenhuma competição nesse ano. O Botafogo não tem dinheiro. Vai participar como? Mas isso não pode, porque acaba acarretando problemas. Temos que manter o clube vivo através de aparelhos. De domingo até hoje passaram-se dois dias e só piorou a situação. O atraso é maior, estamos devendo mais, jogadores saíram de férias, não tem perspectiva nenhuma. As pessoas falam: “Poxa, não mudou nada!”, como se a gente estivesse na ilha da fantasia. Está todo mundo querendo o bem, sem fazer nada. Respeitem os médicos que estão mantendo o Botafogo vivo, ou tragam outra solução. Livramos o clube de uma doença terminal, mas pode ter recaída – afirmou Montenegro à Rádio Brasil, enumerando os problemas:

– Desenho para 2020 até agora é pior. O Botafogo é um paciente que está moribundo na UTI, ligado por fios. A máquina que está funcionando, e ele não consegue mais se mover sozinho. Estamos tentando monitorar essa máquina. Não tem um centavo, não tem dinheiro, não tem nada. Não é porque o campeonato acabou ontem que tudo iria virar uma ilha da fantasia. Continuamos com os direitos de imagem atrasados desde setembro, várias folhas atrasadas, gratificações atrasadas, fornecedores atrasados… O clube num estado de UTI, praticamente vegetal, respirando por aparelhos. Fizemos o comitê para manter esses aparelhos ligados. Até quando? Não sei, até aparecer um investidor. Tem muita gente interessada, mas é um processo que pode demorar dois, três, quatro, seis meses… E pode também não acontecer.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Brasil