O Botafogo terá eleições neste ano.

O clube hoje não tem nem situação nem oposição. O Botafogo vive em um caos. Se fosse uma empresa, estaria perto da falência. Alguém vai ter que ganhar a eleição e assumir esse caos. Eu estou com muita pena dessa pessoa, que vai ter a vida transformada. Tenho pena da família e da saúde dessa pessoa. Se me chamar para ajudar, eu vou ajudar. Espero que não seja com dinheiro, porque é a fundo perdido. A situação é muito difícil, principalmente não saindo o Ato Trabalhista. Todo mundo diz que vai sair, mas não sai. O Proforte vai sair, mas tem eleição. Um presidente que ninguém está esperando pode querer rever isso tudo. Tudo isso é futuro, mas o presidente assume em 25 de novembro como sócio de uma dívida brutal de R$ 700 milhões, sem Ato Trabalhista e com penhoras.

Fonte: O Globo Online