Entre uma partida e outra da decisão, o intervalo de uma semana será de descanso para os times e de trabalho para reparar os erros ocorridos no Maracanã no primeiro no jogo da final do Carioca. Após balanço feito nesta segunda-feira por Vasco, Botafogo e Federação, mudanças foram anunciadas para domingo.

Principal reclamação do técnico Jorginho, o vestiário ocupado pelo Vasco não tinha água quente nos chuveiros. O problema foi causado por um defeito no equipamento de aquecimento, que será reparado ou substituído.

Antes do jogo, Jorginho pediu para o time do Vasco fazer o aquecimento no gramado. O pedido foi negado para preservar a grama. O entendimento dos clubes foi que o gramado estava melhor do que aparentava. O diretor de competições da Federação, Marcelo Vianna, entendeu que o gramado estava “80%, mas que estará perto dos 100% no domingo”.

Outra reclamação dos torcedores foi em relação a um dos quatro telões, que não funcionou. Neste quesito, todos os dirigentes presentes ao balanço concordaram que não valeria a pena consertá-lo para apenas mais um jogo, antes de devolver o Maracanã ao Comitê Rio-2016. Nos bastidores da reunião, falava-se em defeito por falta de manutenção.

A concordância em relação ao telão reflete a maior preocupação dos finalistas do Carioca e da Federação: poupar dinheiro. Tanto que o custo do estádio foi menor que a da primeira partida da decisão de 2015: R$ 531 mil x R$ 645 mil.

Sem pagar aluguel do Maracanã, principal diferença em relação ao último anos, os clubes conseguiram ficar com R$ 241 mil cada. Mas o Botafogo teve a sua parte penhorada.

PREÇOS SÃO MANTIDOS

Os valores dos ingressos foram mantidos para a segunda partida. Eles custam R$ 60, para os setores norte e sul, e R$ 80 para as cadeiras inferiores leste e oeste. A carga de ingressos é de 60 mil, mas 51 mil bilhetes serão colocados à disposição nos pontos de venda amanhã. A venda pela internet é exclusiva para os programas de sócio-torcedor dos clubes.

Ficou decidido que as lanchonetes passarão a aceitar pagamento eletrônico com cartões. No último domingo, apenas dinheiro era aceito.

A entrada acumulada de torcedores ao mesmo tempo, principalmente quando restavam 30 minutos para o jogo começar, causou confusão nas roletas. A Ferj e o Grupamento Especial de Policiamento de Estádios (Gepe) pedem que o torcedor entre mais cedo.

— Temos de corrigir os problemas pontuais e aperfeiçoar a operação. O balanço é positivo. Mas é claro que temos de melhorar mais — disse Vianna.

Fonte: O Globo Online