O governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel (PSC) afirmou, nesta quinta-feira (21), não ser contrário a que os clubes cariocas voltem aos treinamentos. Mas afirma que o Estado não vai se responsabilizar, caso algum atleta ou funcionário contraia o coronavírus.

“A responsabilidade não será do Estado, mas exclusivamente dos clubes”, disse ele, em entrevista à CNN Brasil.

“Nunca fui contra qualquer clube voltar a jogar, mas a responsabilidade é dos clubes com seus atletas”, enfatizou.

“É como o pessoal do turfe, da corrida de cavalo. A responsabilidade é deles”, exemplificou

“Não sou contra os treinos acontecerem, sou contra sem que haja uma preocupação para preservar o atletas. Eles ficam muito vulneráveis”, disse. “Os atletas têm que estar protegidos. É a carreira deles”, ponderou.

Witzel ressaltou que a volta aos treinos implica também que outros profissionais voltem ao trabalho. E que sejam protegidos.

“(O clube) precisa tomar as medidas necessárias para proteger jornalistas nas coletivas, como fazemos aqui no Palácio”, disse.

Ele também falou sobre a volta dos jogos e disse não se opor a que os campeonatos recomecem – mas sem público.

“Nunca fui contra a retomada, só não vai poder ter ter plateia, torcida”, afirmou.

Os presidente de Flamengo e Vasco estiveram em Brasília na terça-feira (19), onde se encontraram com o presidente Jair Bolsonaro. Esteve no encontro ainda Nelson Tanure, coordenador-médico do Rubro-Negro. Na pauta, estava a volta aos trabalhos.

Nesta quinta-feira, o clube da Gávea divigou uma nota assinada conjuntamente por atletas e funcionários, incluindo o técnico Jorge Jesus, afirmando que todos se sentem seguros em retornar ao trabalho.

O muro do clube amanheceu pichado nesta quarta em protesto contra Landim e o vice-presidente Luiz Eduardo Batista, o Bap, chamados de fascistas.

Fonte: ESPN Brasil e CNN Brasil