Comentarista dos canais ESPN, o ex-jogador Zé Elias fez duras críticas à atuação do árbitro Raphael Claus na vitória do Flamengo por 3 a 2 em cima do Botafogo, neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Para ele, a expulsão de Cuéllar por falta violenta em Marcinho ainda no primeiro tempo era clara, mas o juiz da Federação Paulista e da Fifa mostrou apenas o cartão amarelo.

– Péssimo! Para ele não entender que esse é um lance de expulsão é porque ele é muito ruim! O árbitro de campo muitas vezes por causa da velocidade do jogo pode não ver, isso é uma coisa… O árbitro que está na cabine que não enxerga esse tipo de lance, desculpa, mas pede para sair! É inadmissível. Primeiro: Cuéllar veio por trás. Segundo: ele vai justamente para pisar, ele pisa. É uma entrada por trás, maldosa. Não tem questionamento, é vermelho. Só não quebrou a perna, machucou mais sério o jogador, porque ele estava com o pé solto – afirmou.

‘Esse jogo vai virar, eu quero ser o vencedor!’
⬇ Não perca Atlético-MG x Botafogo! ⬇
Acredite na virada AO VIVO e DE GRAÇAComo assistir Atlético-MG x Botafogo ao vivo pela Copa Sul-Americana

Zé Elias ainda lembrou outro episódio polêmico envolvendo Raphael Claus: no Campeonato Paulista do ano passado, ele só marcou pênalti do goleiro Jailson, do Palmeiras, em Renê Júnior, do Corinthians, depois de ver a marca de sangue na perna do volante corintiano. O palmeirense acabou expulso (veja abaixo).

– Se (Marcinho) estivesse com o pé preso, o Claus faria o mesmo que fez no jogo Corinthians x Palmeiras, quando olhou para o Renê Junior e viu se tinha quebrado a perna ou não. Não quebrou, então não foi nada… Não culpem o VAR, por favor. O VAR só veio para mostrar o quanto nossos árbitros não estão preparados para aquilo que acontece no campo – completou.

Leonardo Bertozzi, outro comentarista da ESPN, lembrou, durante o programa “Linha de Passe”, que Raphael Claus tem a prerrogativa de não consultar o VAR e disse que é impossível confirmar que o árbitro de vídeo não foi acionado para revisar o lance de Cuéllar. E disse que Rafinha também deveria ter sido expulso pelo segundo cartão amarelo, após o carrinho em Alex Santana, no segundo tempo.

– O segundo amarelo do Rafinha é bem claro. No lance do Gabigol seria rigor demais (por ter chutado a bandeirinha), concordo. E no lance do Cuéllar tem que tentar entender o que aconteceu na sala do VAR. Parece-me bem óbvio que foi um lance de expulsão e ninguém exposto à imagem achou que não era para expulsão. Não temos a caixa-preta do VAR e nunca iremos saber. Dada a postura do Claus, não duvido que ele possa ter sido alertado e falado: “Não, não, vi, vi… Segue o jogo”. Pode ter acontecido. Não dá para afirmar que o VAR não fez nada. Ele pode ter feito e o Claus pode ter ignorado, é uma preorrogativa que ele tem. De um jeito ou de outro ele evidentemente errou, isso está bem claro. Claramente ele não teve noção da gravidade da jogada – disse Bertozzi.

– A pior coisa que pode ter acontecido na sala do VAR é não ter acontecido nada – resumiu Celso Unzelte, outro comentarista que estava na mesa do programa.

Fonte: Redação FogãoNET