Durcesio aponta paixão de John Textor pelo Botafogo como diferencial: ‘Está botando muito mais dinheiro do que o previsto’

31 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Durcesio aponta paixão de John Textor pelo Botafogo como diferencial: ‘Está botando muito mais dinheiro do que o previsto’
Vitor Silva/Botafogo

O Botafogo se transformou em SAF este ano muito pelo trabalho da gestão Durcesio Mello, que preparou o terreno para a venda da maior parte dos ativos do futebol para John Textor. Em entrevista ao canal “Botafogo Connection”, o presidente destacou o compromisso e a paixão do empresário americano pelo clube.

Durcesio explicou que há cláusulas que protegem o clube em relação a investimentos.

– Existem cláusulas de performance, que obrigam ele a, se não atingir determinados resultados, investir mais. No começo tinha, mas tivemos que tirar, uma tabela que em dez anos tinha que chegar em uma semifinal de Libertadores, ganhar um Campeonato Brasileiro, ter algumas metas, duas quartas de Copa do Brasil, ganhar uma Sul-Americana. Mas tiramos isso porque futebol não é ciência exata, é possível ter dinheiro para caramba e não ganhar nada – explicou o presidente, que prosseguiu.

– Nesse caso, ao invés de perder o direito, tem que injetar mais dinheiro. Mas isso já está fazendo, esse ano ele está botando muito mais dinheiro do que era previsto no contrato. Mostra como está apaixonado pelo Botafogo. Na última vez falou comigo que Crystal Palace e Lyon são bacanas, mas isso aqui não tem preço, pega a bandeira e vai para o campo, a torcida enlouquece ele, adora – complementou.

O presidente não garante não ter qualquer vaidade por perder parte do poder e evita até marcar presença no futebol do clube, para separar bem os assuntos.

– Quando entrei, minha meta era a SAF, que na época era a S/A. Já sabia dos números, que essa era a solução. Quando decide isso, contrata CEO para estruturar o clube financeiramente e prepara para S/A, é porque sempre foi meu projeto pessoal. Já entrei desprovido da vaidade porque isso ia acontecer, era a solução. Para vários clubes no Brasil, mas está mais lento do que eu pensava, para muitos clubes grandes ainda não caiu a ficha – ponderou.

Fonte: Redação FogãoNET e Glorioso Connection

Notícias relacionadas