Ex-presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira vê falhas em balanço: ‘Números são fracos e dívida teria crescido’

165 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Carlos Eduardo Pereira, vice-presidente geral do Botafogo
Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Presidente do Botafogo de 2015 a 2017, Carlos Eduardo Pereira questionou pontos do balanço de 2021 divulgado na noite do último sábado pelo clube. O documento apontou um superávit de R$ 78,4 milhões, reduzindo o passivo histórico de R$ 909 milhões para R$ 830,8 milhões.

De acordo com Carlos Eduardo Pereira, o prazo de divulgação do demonstrativo financeiro do ano passado infringiu o que manda o estatuto.

O artigo 84, inciso VII do Estatuto do Botafogo prevê que a Diretoria deveria ter enviado o relatório com o balanço e parecer do Conselho Fiscal. Só 75 dias de atraso. Transparência?“, questionou Carlos Eduardo Pereira, no Twitter.

Depois, o ex-presidente botafoguense também questionou a veracidade dos números apresentados, dizendo que a dívida, ao invés de ter diminuído, teria crescido.

Foram utilizadas reduções previstas na Lei da SAF. Os números do balanço são fracos e a dívida teria crescido. Não há justificativa para atraso tão grande com tanta gente muito bem remunerada“, postou CEP.

No documento divulgado pelo clube, Durcesio Mello, atual presidente, enfatizou a redução da dívida com o Governo de R$ 418 milhões para R$ 190 milhões, fruto de acordos para tratamento das dívidas tributárias e previdenciárias. O Botafogo também ingressou no Regime Centralizado de Execuções para refinanciar as dívidas trabalhistas.

Mochilas, bolsas e carteiras da coleção FogãoNET da Estilo Piti

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas