Ex-presidente, CEP desabafa contra diretoria do Botafogo: ‘Chega de incompetência’

175 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Carlos Eduardo Pereira, vice-presidente geral do Botafogo
Vitor Silva/SSPress

Presidente do Botafogo do fim de 2014 ao fim de 2017, Carlos Eduardo Pereira voltou às redes sociais nesta terça-feira para fazer duras críticas à diretoria atual, após a derrota por 2 a 0 para o Goiás. Ele questionou procedimentos, criticou a contratação “a peso de ouro” do CEO Jorge Braga e falou em “incompetência” no clube.

Em vídeo no Instagram, inicialmente CEP pediu desculpas pela gestão do Mais Botafogo que sucedeu a sua, na qual inclusive foi vice-presidente, com Nelson Mufarrej como presidente.

– Fiquei distante do processo eleitoral, votei, mas não participei diretamente. Tenho certeza que esse momento é adequado para me desculpar com vocês pela transição da minha gestão para a gestão que veio a seguir. Não fui feliz nesse processo. De certa maneira, jogamos fora boa parte das conquistas que fizemos no período de 2015 a 2017, mas também sei que foi uma gestão séria, honesta e com bons resultados obtidos – afirmou Carlos Eduardo Pereira, antes de começar as críticas.

O que estamos assistindo hoje em apenas sete meses de gestão desse grupo, que se apresentou como detentores da modernidade, autores de um processo de profissionalização do clube contra os processos que nós depreciativamente chamados de “amadores” realizávamos, é o que considero o maior estelionato eleitoral da história do Botafogo. Hoje sofre mais uma derrota, se afasta mais ainda do G-4 da Série B, não tem perspectiva de ter um treinador (Nota da Redação: o desabafo foi antes do anúncio de Enderson Moreira), porque o presidente já declarou que nenhum treinador quer trabalhar no Botafogo, não tem estrutura no departamento de futebol, seu elenco foi pessimamente selecionado, já trocou treinadores, em resumo não tem qualquer expectativa ou esperança para nossa sofrida torcida – acrescentou.

Carlos Eduardo Pereira ainda fez mais críticas e prometeu cobranças.

– O que posso dizer é que dava para ter sido feito diferente. Nós fizemos quando assumimos em 2014. Agora vemos o clube excluído do Ato Trabalhista, de forma que vai dificultar muito a gestão. E não vejo nenhum projeto, nenhum inconformismo, nenhuma iniciativa, nada. O único processo novo foi a contratação a peso de ouro de um CEO. Isso não foi bem explicado, ainda estão devendo a quantificação dos recursos investidos nessa contratação, porque hoje não temos recursos para treinador e para reforçar a equipe, mas temos para contratar um CEO. Isso sinceramente não me satisfaz. Chegou o momento de todos nós botafoguenses apaixonados, cansados de sofrer, de ouvir história de comitê, como outro dia vi o vice-presidente geral se autodenominando membro do comitê. Será que não aprenderam que isso não funciona? Que nos levou para a Série B? E eles querem nos levar para a Série C? É esse o profissionalismo que pregavam, é isso que querem fazer com o Botafogo? Se é isso, parem por aí. Não há mais espaço para esse tipo de incompetência. De agora em diante, os senhores serão cobrados por todas as suas promessas de competência, profissionalismo e resultados. Chega de incompetência, está na hora de o Botafogo voltar a ser respeitado. Podem ter certeza, se depender de mim, o Botafogo será respeitado – completou.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Carlos Eduardo da Cunha Pereir (@cep_1417)

Fonte: Redação FogãoNET e Instagram do Carlos Eduardo Pereira

Notícias relacionadas