Jornalista destrincha exemplos bons e ruins na Inglaterra como alerta, mas vê potencial para SAF de Botafogo e Cruzeiro darem certo

79 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Reunião do Conselho Deliberativo do Botafogo sobre venda para John Textor
Vitor Silva/Botafogo

A nova lei da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) abre espaço para a chegada de investidores, como John Textor no Botafogo e Ronaldo no Cruzeiro. O projeto representa esperança aos torcedores, mas também tem riscos.

O jornalista João Castelo-Branco, da ESPN Brasil, levantou exemplos bons e ruins de clubes ingleses para deixar como alerta.

– Galera empolgada com Textor e Ronaldo. O futebol brasileiro precisa de novos ares. Mas tem que ter muito cuidado. Quando os clubes ingleses se abriram ao mercado teve um crescimento da Premier League e casos de sucesso. Mas também vários donos desastrosos que arruinaram clubes – lembrou.

– No geral se abrir ao mercado é considerado um sucesso, olhando para Premier League e como cresceu. Mas se não cuidar muito, tem gente que pode se dar muito mal e ficar pelo caminho. Histórias centenárias destruídas. Aqui muitos lutam por regulação mais eficiente. Não estou criticando a situação individual do Botafogo ou Cruzeiro, dois casos com potencial para dar certo. Mas falo no geral sobre a abertura para clube empresas. Se não cuidar pode virar uma bagunça como vimos nos casos na thread, após a Inglaterra ir de um extremo a outro – explicou.

Veja abaixo os exemplos citados:

Fonte: Redação FogãoNET e Twitter do João Castelo-Branco (ESPN Brasil)

Notícias relacionadas