Próxima de fechar com o Botafogo, Volt quer ser a maior fornecedora de material esportivo do Brasil em cinco anos

49 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Camisa do CSA da Volt Sport
Divulgação/Volt Sport

O Botafogo está cada vez mais próximo de anunciar o novo fornecedor de material esportivo: Trata-se da Volt, empresa brasileira sediada em Joinville, Santa Catarina. As conversas estão avançadas e a tendência é que o clube apresente a nova marca após o encerramento do Campeonato Brasileiro da Série B, neste domingo (28), contra o Guarani, no estádio Nilton Santos.

A Volt pretende ter o Botafogo como carro-chefe e se tornar num prazo de 5 anos a maior fornecedora de material esportivo do Brasil. A empresa tem como sócio majoritário Adalberto Baptista, um dos maiores empresários do país. Adalberto é um dos acionistas da Aché, um dos maiores laboratórios farmacêuticos da América Latina, e também um dos acionistas da Hard Rock Café, cadeia norte-americana de restaurantes temáticos com mais de 191 unidades espalhadas em 59 países. No futebol, Adalberto Baptista já ocupou o cargo de vice-presidente do São Paulo e foi responsável pela composição de um grupo de empresários na transformação do Botafogo-SP em S/A.

A proposta da Volt incluiu um modelo de negócios diferente, com participação maior do Botafogo nos resultados, além de garantias financeiras e de enxoval significativa para o clube. A empresa possui fábrica própria e capacidade produtiva considerada alta para mais de 1 milhão. A informação foi trazida pelo “Lancenet”. As camisas da Volt são produzidas a partir de plástico reutilizado, com o intuito de reduzir o impacto ambiental.

Atualmente, a Volt é responsável em fornecer material para Figueirense, Remo, CSA, América-MG e mais recentemente o Santa Cruz. O contrato negociado com o Botafogo é de três anos, até o fim da gestão Durcesio Mello. Assim como é feito com a Kappa, o Alvinegro teria liberdade na participação do desenvolvimento dos layouts e coleções do uniforme.

A Volt também pretende assumir o controle das lojas físicas do Botafogo. A intenção é reformar a loja na sede de General Severiano, fechar o espaço no Nilton Santos e criar loja container na parte externa para atender o torcedor nos dias úteis e de jogos. Além disso, poderá ser feita uma parceria com quiosques da Brahma. O Botafogo confirma que ainda não tomou a decisão e outras empresas também apresentaram propostas. O contrato com a Kappa termina no fim da temporada e não será renovado. Apesar de ter a prioridade de cobrir qualquer proposta apresentada ao clube, a empresa não demonstrou vontade de exercê-la.

Fonte: Super Rádio Tupi

Notícias relacionadas