Bola lançada na ponta para Luizão, Lopes se antecipa, rouba, arranca pela lateral direita com o centroavante em seu encalço, passa da linha do meio-de-campo e dá um bonito passe no ponto futuro com o lado externo do pé. A descrição da jogada se encaixaria perfeitamente se Lopes fosse um lateral-direito ou um zagueiro de velocidade tipo Marcelo Benevenuto. Mas ele era Astolpho Junio Lopes, o goleiro do Botafogo em 2006!

O lance divertiu a torcida alvinegra no Maracanã e estreia a série “Esse dia foi fogo!”.

Relembre no vídeo abaixo:

QUE JOGO FOI ESSE?

O placar do jogo é o que menos importa, mas serve para “justificar” a ousadia de Lopes. No dia 10 de setembro de 2006, o Botafogo perdia por 2 a 0 para o Flamengo (resultado final do clássico, com gols de Rafael Marques (contra) e Renato Silva), quando a jogada memorável ocorreu. Sentindo-se impotente no gol, o goleiro resolveu sair para o jogo e armar o contra-ataque, que terminou em escanteio a favor do Fogão e inflamou a torcida, como escreveu o site “UOL”.

“Um lance inusitado aconteceu aos 18min. O goleiro Lopes driblou Luizão na área do Botafogo, saiu jogando pela direita, ultrapassou o meio-campo e tocou em profundidade para Lima, que tentou o cruzamento. Mas a bola desviou na zaga e saiu pela lateral. Apesar de nada ter acontecido, o lance inflamou a torcida do Botafogo. Um minuto depois, após cobrança de escanteio, Asprilla cabeceou à queima-roupa para o chão, mas Bruno segurou firme”, publicou o UOL.

O TIME DO BOTAFOGO

A escalação do Botafogo não era animadora na época e menos ainda vista 14 anos depois. Campeão carioca em 2006, o Fogão tinha passado por uma reformulação, já não tinha mais Dodô (negociado) e estava sem Lucio Flavio (lesionado). Comandado por Cuca, o time embalou quatro vitórias seguidas até perder o clássico.

A equipe foi a seguinte: Lopes; Rafael Marques (Wando), Juninho e Asprilla; Ruy, Alê, Claiton, Júnior César e Bill (Marcelinho, depois Jefferson Feijão); Lima e Reinaldo.

O Flamengo, com Ney Franco como técnico, também não tinha um grande time, mas possuía melhores opções no clássico: Bruno; Leonardo Moura, Renato Silva, Fernando e Juan; Léo (Júnior), Paulinho, Renato e Renato Augusto (Jajá); Obina e Luizão (Peralta).

LOPES NO BOTAFOGO

Lopes chegou ao Botafogo ainda na base e se profissionalizou no clube em 2003, ano da disputa da Série B. O goleiro teve suas primeiras chances reais em 2005, após a saída de Jefferson, e disputou posição com Max por muito tempo. Seu melhor momento foi como titular na conquista do Campeonato Carioca de 2006. Em 2007, viveu fase ruim, assim como todos os goleiros do clube naquele ano (Max, Lopes, Julio Cesar, Marcos Leandro e Roger). Acabou dispensado em 2009.

Pôster do título carioca de 2006 (Foto: reprodução “Lancenet!”)

REENCONTRO E AMOR PELO BOTAFOGO

O goleiro reencontrou o Botafogo em 2014, atuando pelo Bonsucesso. Em uma quinta-feira à tarde em Moça Bonita, contra o time reservado comandado por Eduardo Húngaro que fez uma das piores campanhas da história alvinegra em Estaduais, Lopes fez boas defesas, mas sofreu dois gols de pênalti (Henrique Almeida e Bolatti), sendo derrotado por 2 a 0.

Lopes na apresentação no Bonsucesso (Foto: Divulgação)

Antes da partida, ele se emocionou por rever o Botafogo e chegou a falar em fazer tatuagem do clube.

“Vivo uma grande expectativa por reencontrar o Botafogo. É claro que sou profissional e vou fazer o melhor pelo time que defendo, mas é claro que tenho um enorme carinho pelo Botafogo e pelas pessoas que ainda lá estão. Tenho uma história bonita em General Severiano. Fui revelado pelo Botafogo e passeis bons momentos lá. O meu sonho é voltar ao Botafogo. Tenho isso na minha cabeça e tenho fé de que vou conseguir. Minha família inteira é botafoguense. Penso até em fazer uma tatuagem do Botafogo”, afirmou ao “Lance!”.

OUTRAS HISTÓRIAS

A sorte às vezes não parecia sorrir para Lopes. Em uma de suas histórias mais famosas, o goleiro foi tomar banho no Maracanã após uma derrota do Botafogo por 3 a 1 para o Palmeiras, porém acabou levando um jato de água fervendo que queimou seu rosto. Em outro momento, teve dedo decepado em acidente na academia do Botafogo, chegou a temer o fim da carreira, mas conseguiu reimplantar. Em 2011, foi agredido por torcedores do Remo dentro da loja do clube.

Lopes com o rosto queimado (Foto: Reprodução)

ATIVO NO MUNDO DIGITAL

Hoje com 37 anos, o goleiro é leitor do FOGÃONET e de vez em quando escreve nos comentários (aliás, fique à vontade para deixar sua opinião, Lopes). No YouTube, há dois vídeos com defesas dele publicados pelo usuário “GoleiroLopes“, que reproduzimos como uma homenagem a ele.

Assista abaixo:

Qual sua lembrança do goleiro Lopes?

Fonte: Redação FogãoNET