Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 00:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Esse dia foi fogo! O show de Wallyson no Botafogo na noite que ‘O Gigante voltou’

0 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Esse dia foi fogo! O show de Wallyson no Botafogo na noite que ‘O Gigante voltou’
Vitor Silva/SS Press/Botafogo

O Botafogo não disputava a Libertadores desde 1996 e o retorno em 2014 foi na fase preliminar, com duelo contra o Deportivo Quito (EQU). No primeiro jogo, vitória dos equatorianos por 1 a 0 na altitude. Na volta, em uma grande noite alvinegra, “O Gigante voltou“, como mostrava a torcida em belo mosaico no Maracanã.

No dia 5 de fevereiro de 2014, o Botafogo despachou o Deportivo Quito com um 4 a 0 no Maracanã lotado, com show de Wallyson, autor de três gols. Esse jogo é lembrado hoje no “Esse dia foi fogo!”.

A classificação

É preciso voltar a dois meses antes para falar da classificação do Botafogo para a Libertadores. O time derrotou o Criciúma por 3 a 0 na última rodada do Campeonato Brasileiro e terminou em quarto. Porém, poderia perder a vaga na principal competição sul-americana se a Ponte Preta conquistasse a Copa Sul-Americana. A torcida alvinegra teve que secar o time paulista na final. Após empate em 1 a 1 no primeiro jogo, o Lanús venceu a segunda partida por 2 a 0 e, por tabela, classificou o Botafogo para a Libertadores.

Estrela ruim

Após passar por um desmonte, o ótimo time de 2013 aos poucos perdeu jogadores como Vitinho, Andrezinho, Fellype Gabriel, Seedorf e Rafael Marques, além do técnico Oswaldo de Oliveira. O presidente Mauricio Assumpção resolveu apostar no auxiliar Eduardo Hungaro para treinador.

Na altitude de Quito, o Botafogo não resistiu na estreia na Libertadores e foi derrotado por 1 a 0 pelo Deportivo Quito, no dia 29 de janeiro de 2014. Estupiñán fez o gol do jogo, aproveitando falha de Dória.

O Botafogo jogou com: Jefferson; Edílson, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel (Wallyson), Rodrigo Souto, Lodeiro e Jorge Wagner (Renato); Tanque Ferreyra (Elias).

O Gigante voltou

A torcida do Botafogo não se abalou com a derrota inicial, lotou o Maracanã no jogo da volta com 50.638 presentes e impressionou toda a América do Sul com o mosaico “O Gigante voltou”. A frase de efeito foi usada pela primeira vez pela própria Conmebol ao parabenizar o Botafogo pela classificação para aquela Libertadores.

Wallyshow

Com uma atmosfera positiva e pressão o jogo todo, o Botafogo teve como surpresa na escalação Wallyson, reserva na partida de ida. Promessa do ABC, o atacante vinha do Bahia e tinha sua primeira grande chance, que foi muito bem aproveitada. Com três gols, destruiu o Deportivo Quito.

Wallyson abriu o placar no primeiro tempo com um chutaço de primeira. O segundo gol veio após bom lançamento de Lodeiro e entortada no zagueiro. Com 2 a 0, havia apreensão porque um gol classificaria o Deportivo Quito, mas Wallyson recebeu ótima bola de Elias e marcou o terceiro. No fim, Henrique Almeida completou: 4 a 0 para o Botafogo!

Wallyson comemora show sobre o Deportivo Quito (Foto: Satiro Sodre/SSPress)

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 4 x 0 DEPORTIVO QUITO-EQU

Data: 05/02/2014 (quarta-feira)
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Silvio Trucco (ARG)
Auxiliares: Hernan Maidana e Juan Belatti (ARG)
Renda: R$ 2.197.300,00
Público: 45.154 pagantes / 50.638 presentes
Cartões amarelos: Walter Calderón, Estupiñian, Romero (DEP). Edílson, Marcelo Mattos (BOT)
Gols: Wallyson, aos 37min do primeiro tempo, e 22min e 34min, e Henrique, aos 45min do segundo tempo.

BOTAFOGO
Jefferson; Edílson, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Lodeiro, Jorge Wagner (Rodrigo Souto) e Wallyson (Henrique); Tanque Ferreyra (Elias)
Técnico: Eduardo Hungaro

DEPORTIVO QUITO
Rolando Ramírez; Víctor Chinga, Gregory Gonzalez, Luis Romero e Édder Fuertes; Santiago Morales, Carlos Feraud, Edison Vega e Olivo (Miguel Bravo); Víctor Estupiñán e Jonathan Hansen
Técnico: Juan Carlo Garay

Emoção do Canhota

À época comentarista da Rádio Transamérica, Gerson Canhotinha de Ouro não se controlou no terceiro gol e tirou a camisa para comemorar a classificação do Botafogo, onde é ídolo. Nos dias seguintes, ele ganhou uma camisa oficial do clube;

“Todo mundo sabe que eu sou ‘meio’ botafoguense [a outra metade é Fluminense]. Estava torcendo muito para que ele entrasse nessa fase de grupos. Não existe torcida igual a essa do Botafogo. Com o gol, fiquei maluco e emocionado. Estava cheio de tesão, resolvi tirar a camisa e comemorar. Eles merecem”, afirmou Gerson à época ao “UOL”.

Protesto fora de hora

Com boa campanha, o Botafogo venceu o San Lorenzo por 2 a 0 no Maracanã, empatou com o Unión Española em 1 a 1 no Chile, perdeu para o Independiente Del Valle por 2 a 1 no Equador, mas venceu por 1 a 0 no Maracanã com gol de cabeça de Tanque Ferreyra e apoio da torcida no Maracanã. Nesse jogo, Eduardo Hungaro elogiou a equipe pela “capacidade de sofrimento”. O mesmo técnico teve outra frase que ficou famosa ao reclamar de gols perdidos: “Se você não pegar a boneca e colocar dentro do berço, você não fica feliz.”

O jogo seguinte era novamente em casa, a torcida estava embalada e uma vitória classificaria o time. Porém, com salários atrasados, o elenco resolveu protestar três vezes na semana, sentou no gramado durante os treinos e perdeu o foco. Não só o foco, mas também o jogo contra o Unión Española: 1 a 0, gol de pênalti de Canales (depois jogador do Botafogo). Henrique Almeida desperdiçou uma chance clara e Ronny entrou muito mal na partida.

Na última rodada, o Botafogo foi derrotado por 3 a 0 para o San Lorenzo (que acabou campeão) e se despediu da Libertadores.

A torcida merecia mais

A queda precoce causou a saída de Eduardo Hungaro, do então auxiliar Eduardo Barroca, do preparador de goleiros Flavio Tenius e do preparador físico Ricardo Henriques, entre outros. Com Vagner Mancini como técnico, a equipe não repetiu mais o padrão da Libertadores e fez péssimo Campeonato Brasileiro.

A grande lembrança para a torcida do Botafogo naquela Libertadores foi o 4 a 0 sobre o Deportivo Quito, mas ficou uma impressão que o time poderia ir mais longe e até sonhar com o título, se tivesse reforços (como Emerson Sheik, que chegou logo após a eliminação).

Conta aí embaixo sua lembrança de Botafogo 4 x 0 Deportivo Quito!

Fonte: Redação FogãoNET

Comentários