Luís Castro gosta de elenco curto, mas Botafogo precisa olhar para time B e sub-20 até segunda janela abrir

128 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Luís Castro gosta de elenco curto, mas Botafogo precisa olhar para time B e sub-20 até segunda janela abrir
Vitor Silva/Botafogo

Quando chegou ao Botafogo, Luís Castro deixou claro que gostaria de trabalhar com um elenco mais enxuto, com cerca de 30 jogadores – sendo três goleiros. Muitos jovens que disputaram o Campeonato Carioca foram retirados do dia-a-dia dos profissionais e “desceram” para o novo time B (sub-23) e sub-20.

Depois de um início animador, o Botafogo não vive boa fase no Campeonato Brasileiro, acumula três derrotas seguidas e não vence há quase um mês. Muitas contratações na primeira janela não surtiram o efeito esperado, como Lucas Piazon e Patrick de Paula, além de problemas de ordem médica como Gustavo Sauer e, nos últimos jogos, Diego Gonçalves e Erison.

O elenco alvinegro, que já não dava tantas opções, ficou ainda mais curto nos últimos jogos. Com Matheus Nascimento na Seleção Brasileira Sub-20, o Botafogo teve como única opção ofensiva no banco de reservas no jogo contra o Palmeiras o baixinho Rikelmi. No time titular, Vinicius Lopes atuou improvisado como 9. É muito pouco para aguentar um calendário duríssimo pela frente.

Matheus Nascimento pode ficar novamente à disposição contra o Avaí, já que faz seu último jogo com o Brasil neste domingo. Mas os retornos de Erison e Diego Gonçalves – este último que não vem agradando ninguém – ainda são incertos. Dito isso tudo, fica aqui a reflexão: por que não olhar mais para as categorias de base?

Na última quinta-feira, o FOGÃONET conferiu in loco ao jogo-treino do Botafogo B contra o sub-23 do Fluminense. O Glorioso dominou a partida e apresentou um time organizado e muito forte, buscando transições rápidas e triangulações na frente. Algumas peças se destacaram, como Lucas Mezenga, Vinicius Amaral, Juninho e Jeffinho.

O sub-20 também viveu uma semana interessante, com excelentes vitórias sobre Bahia, pelo Brasileiro, e Flamengo, pelo Carioca, ambas fora de casa. O centroavante Léo Pedro e o atacante Maycon Vitor, por exemplo, foram muito bem, assim como Brendon. Será que eles não poderiam ter uma chance de pelo menos completar o banco nestes jogos do Brasileirão em que o Glorioso ficou sem atacantes?

Com a chegada de John Textor, o Botafogo se reforçou com altíssima qualidade em sua retaguarda, como ótimos profissionais para áreas como scouting, base e transição. É preciso ouvir mais essas pessoas. A impressão que passa é que Luís Castro não está atento ao que está acontecendo na base. Não é que os garotos sejam solução, mas podem ajudar em casos pontuais.

Botafogo tem 9 jogos até a abertura da janela

John Textor já avisou que vai forte nesta segunda janela, projetando até oito reforços com “alto nível de Série A”. Mas é bom lembrar que, até a janela abrir, o Botafogo terá ainda nove jogos a disputar com o atual elenco que temos. Serão sete partidas pelo Campeonato Brasileiro mais os dois confrontos contra o América-MG pelas oitavas de final da Copa do Brasil. São esses:

13/6 – Botafogo x Avaí – Nilton Santos – Brasileirão
16/6 – Botafogo x São Paulo – Nilton Santos – Brasileirão
19/6 – Internacional x Botafogo – Beira-Rio – Brasileirão
26/6 – Botafogo x Fluminense – Nilton Santos – Brasileirão
30/6 – América-MG x Botafogo – Independência – Copa do Brasil
4/7 – Red Bull Bragantino x Botafogo – Nabi Abi Chedid – Brasileirão
9, 10 ou 11/7 – Cuiabá x Botafogo – Arena Pantanal – Brasileirão
14/7 – Botafogo x América-MG – Nilton Santos – Copa do Brasil
17 ou 18/7 – Botafogo x Atlético-MG – Nilton Santos – Brasileirão

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas