Pitacos: Botafogo ‘pagou a conta’ de erros recentes da arbitragem contra o Palmeiras

52 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Arbitragem em Botafogo x Palmeiras | Campeonato Brasileiro 2022
Reprodução/SporTV

* Em primeiro lugar, é preciso dizer que a vitória do Palmeiras por 3 a 1 sobre o Botafogo, segunda-feira (3/10), no Estádio Nilton Santos, pelo Campeonato Brasileiro, foi justa e era o resultado mais provável. Mas não dá para fechar os olhos para a atuação de Wilton Pereira Sampaio na partida.

* Claramente, o Botafogo “pagou a conta” pela quantidade de vezes que o Palmeiras foi prejudicado na temporada. Inclusive foi eliminado da Libertadores e da Copa do Brasil por erros de arbitragem. Na última rodada, Marcelo de Lima Henrique, aquele velho conhecido do futebol carioca, já havia aprontado, não marcando um pênalti claro e anulando um gol legítimo do Palmeiras, que reclamou muito, apesar da vitória sobre o Atlético-MG. Sobrou para o Botafogo.

* No primeiro tempo, Wilton Pereira Sampaio conduziu o jogo a favor do Palmeiras e irritou os jogadores do Botafogo. Minou o time alvinegro de forma discreta, que não vai gerar debate nos programas de TV nem reclamação formal do clube.

* Quer ver exemplos? Tiquinho Soares ganhou as primeiras jogadas no pivô sobre Gustavo Gómez, que então começou a bater. Primeiro com o braço na costela de Tiquinho, Wilton nem falta marcou. Depois, claramente derrubou Jeffinho na entrada da área, o juiz mandou seguir. Foi levar cartão amarelo apenas no fim do primeiro tempo, quando já poderia ser expulso.

* Houve inversões de falta, lances não marcados para o Botafogo e extremo rigor para dar cartão amarelo para o time. Já Zé Rafael poderia ter sido expulso por uma tesoura por trás em Júnior Santos, quando o jogo estava parelho, 2 a 1, ainda disputado. Foi receber o vermelho apenas na segunda falta parecida, já com 3 a 1 no placar.

* Outro indicativo do “peso” da arbitragem para o Palmeiras foi a velocidade da chamada do VAR e da marcação do pênalti de Gabriel Pires. O comum no futebol brasileiro é esperar a bola sair. O lance foi confuso, com bate-rebate, e é passível de virar pênalti por causa de um último movimento do volante, que pode ter sido por reflexo, mas pareceu intencional. Agora, já repararam quantos pênaltis de bola na mão são marcados contra o Botafogo e quantos a favor são ignorados? Pois é.

* Tem também o gol de Mayke. Dudu, em clara posição de impedimento, faz o movimento para participar da jogada, atrapalha Hugo e bloqueia a visão do lateral, deixando Mayke livre para marcar. Gol legal? Pode ser. Mas por que o Botafogo teve um gol anulado assim contra o Atlético-GO? Em chute de Chay direto para o gol, Diego Gonçalves tentou participar e não conseguiu, assim como Dudu. A diferença é que daquela vez foi apontado o impedimento.

* De qualquer forma, o Botafogo enfrentou o melhor time do Brasil e da América do Sul nos dois últimos anos, ainda está em formação, teve desfalques pesados (Victor Cuesta, Marçal e Lucas Fernandes), era difícil obter resultado melhor. O saldo positivo é que a equipe competiu, não perdeu jogadores importantes por lesão ou por suspensão. Na derrota também é possível aprender e melhorar para os próximos jogos. É o que se espera.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas