Pitacos: Lucas Mezenga entra no fogo e não se queima no Botafogo; Diego Loureiro se firma; feio é não vencer

59 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Gilvan e Lucas Mezenga em Confiança x Botafogo | Série B do Campeonato Brasileiro 2021
Reprodução/SporTV

* O Botafogo venceu o Confiança “jogando feio” em um jogo que não foi vistoso, na linguagem de futebol. Mas pouco importa. Neste momento, feio é não vencer, continuar próximo do Z-4 e longe do G-4. O time pode jogar mais, mas há aspectos a serem considerados.

* O primeiro deles é que era a estreia de Enderson Moreira, que mal teve tempo de treinar a equipe. O segundo é o alto número de desfalques, em um elenco já não tão qualificado. A equipe jogou sem Gatito Fernández, Diego Cavalieri, Jonathan, Kanu, Joel Carli, Hugo, Luís Oyama, Pedro Castro, Chay e Ronald. Sem contar Rafael Carioca, que ficou fora por opção técnica.

* Vencer pode devolver a confiança ao Botafogo. Mas é preciso também tirar lições. Não era preciso recuar tanto e correr risco de levar o empate de um adversário frágil, em um cenário bem parecido com outros jogos na Série B, como contra CRB, Londrina e Brusque. O time tem dificuldade em segurar resultados e não parte em busca de ampliar o placar, o que daria mais tranquilidade.

* O principal motivo para o Botafogo ter segurado a vitória foi Diego Loureiro. O goleiro fechou o gol, fez diversas defesas importantes e passou segurança o tempo todo.

* Uma grata surpresa foi Lucas Mezenga. O jovem fez seu segundo jogo “entrando na fogueira”, recém-chegado do Nova Iguaçu, por conta da carência de zagueiros no elenco. E novamente foi bem. Mostrou confiança, seriedade e bom posicionamento.

* O ponto negativo foi o destempero de Enderson Moreira na estreia. Ainda que tivesse razão na reclamação, a perdeu pela forma que se dirigiu ao quarto árbitro (que de fato parecia pouco preparado). Profissional experiente do futebol, Enderson deveria ter se comportado melhor. Menos mal que admitiu o erro e pediu desculpas. Também não precisa ser execrado como vem fazendo a mídia, porque foi uma reação no calor do jogo, seguida de arrependimento, e até certo ponto comum de ser vista no futebol brasileiro. Não que seja certa.

* Warley foi outro expulso de bobeira, em jogo em que foi o principal escape do Botafogo por muitas vezes. Dava opção pela direita, usava velocidade e fazia cruzamentos perigosos. Quase colocou tudo a perder em uma expulsão boba é desnecessária. Menos mal que a vitória foi mantida.

* Uma mudança vista com Enderson foi os laterais pouco subirem e a presença de dois volantes mais marcadores. A questão é que jogo dependeu muito dos cabeças-de-área. Barreto novamente foi discreto e pouco eficaz. Já Romildo foi mais dinâmico, apareceu na frente e fez o gol da vitória. De toda forma, parece que Matheus Frizzo e Kayque podem ter mais chances.

* Por fim, é preciso falar da arbitragem. Outra vez foi ruim em jogo do Botafogo. Poderia ter expulsado jogadores do Confiança no primeiro tempo, contemporizou. No segundo, não poupou cartões amarelos aos atletas alvinegros. O primeiro para Warley, por exemplo, foi exagerado. Deu seis minutos de acréscimos e ainda esticou o jogo para o Confiança ter um último ataque. Só faltou deixar cobrar o escanteio, mas aí já seria demais.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas