A incrível má vontade de parte da mídia com o Botafogo bateu recorde

132 comentários

Blog do Mansell

Blog do Mansell

Compartilhe

John Textor, sócio do Crystal Palace, é o provável comprador do Botafogo
Divulgação

Boa parte de nossa imprensa enalteceu a transformação do Botafogo em empresa. Muitos colegas usaram seus microfones, blogs ou colunas para brindar aquilo que para muitos é a maior mudança da história centenária do Glorioso. Gente que vibra com o futebol carioca e brasileiro. Gente que sabe que é importante todos estarem bem para as coisas renderem. Mas infelizmente muitos querem que nada mude. Mais do que isso, desejam que o futebol fique para sempre no período entre 2019 e 2020. Gente que vibra com uma Série B recheada de gigantes, desde que alguns não sejam rebaixados.

Vejo alguns argumentos com o sentimento de que desejam que tudo dê errado. A primeira questão foi questionar a venda. Dizer que o clube foi entregue por um preço de banana. Pessoas que são bem informadas e que sabem muito bem que o Botafogo não vai ganhar apenas R$ 400 milhões com a negociação e que se vire com isso.

Qualquer empesa exige investimentos constantes. O Botafogo não foi vendido para um grupo sem nenhuma capacidade de investimento ou que simplesmente não sabe mexer no futebol. Além disso ignoram solenemente a relação de responsabilidade com a dívida. Difícil acreditar em desinformação. Parece mais má vontade ou coisa pior.

Bragantino pode e é bem legal

Jorge Braga e Durcesio Mello - Botafogo
Jorge Braga e Durcesio Mello estão modernizando o Botafogo

Não poderia faltar aqueles que logo levantaram a voz dizendo que clube de futebol deveria continuar como está, sem ser vendido, pois futebol não é para dar lucro. Curioso que são algumas pessoas que calaram a boca uma semana antes, quando Ronaldo anunciou a compra do Cruzeiro. Se quiserem ficar chocados tem mais: esse argumento de sexta-feira para cá sai da boca de gente que vibrou com a boa campanha do Bragantino e que defende que o Brasil se aproxime mais dos métodos europeus para se profissionalizar.

Curiosamente não vejo essas pessoas questionarem, por exemplo, que a distribuição de cotas de televisão no Brasil é absurda e que torna o cenário desigual. Pessoas que não sabem mais o que fazer para explicar a desvalorização do produto futebol sem ter que tocar na ferida da forma como as televisões tornaram o mesmo pouco atraente. Mas são pessoas que sabem perfeitamente o que o Botafogo está fazendo e que têm medo do resultado lá na frente. Afinal de contas, para elas o futebol têm poucos mocinhos e eles precisam ganhar sempre no final. Mesmo que seja com um gol impedido.

Notícias relacionadas