O Botafogo tirou o elefante das suas costas ao bater o lanterna Avaí no fechamento da rodada. Saiu da zona de rebaixamento e encurtou a distância para se manter na Primeira Divisão. Foi, porém, o desafio teoricamente mais tranquilo de todos que restavam até o dia 8 de dezembro. Ganhar do lanterna e agora rebaixado era obrigação. Porém, valeu pela vontade que, a exemplo do que foi visto diante do Flamengo, foi grande.

Após as mudanças da semana passada o Botafogo tem sido outro em campo. Não tem mais a apatia que foi vista nas derrotas para Grêmio e Santos, por exemplo.

Cícero e Diego Souza voltaram a render

Volto a dizer que a saída de Gustavo Noronha veio com atraso. A falta de comando influenciava muito. Basta ver como Cícero e Diego Souza estão diferentes dentro das quatro linhas. A acomodação dos medalhões parece ter chegado ao fim. Ou, se não era isso, até eles ficaram mais motivados. Porém, se Gustavo Noronha tivesse saído antes, talvez a gente já estivesse podendo falar do projeto de 2020.

Mas como o se não joga no futebol e em nada na vida, o Botafogo ainda precisa de mais pontos. Continuo trabalhando com os 45 pontos para não correr riscos. Basta ganhar tudo em casa. Entretanto, sabemos que isso não é garantido e é preciso buscar pontos fora.

No domingo vem o jogo contra o Furacão e a vontade de ganhar precisa ser a mesma dos últimos dois jogos. Não vai ser um jogo fácil. Mas é possível pontuar. Que o Botafogo tenha mais uma vez vontade. Entretanto, será preciso ainda que Alberto Valentim seja um pouco mais iluminado nas alterações. Ainda dá para salvar 2020!