O elenco do Botafogo tem convivido com vários problemas financeiros. O pagamento de parte dos salários atrasados esta semana acalmou um pouco o ambiente, mas está longe de dar a tranquilidade necessária. Os atletas, que vinham sofrendo com a falta de pagamento, são obrigados a conviver com funcionários em dificuldades. A situação, porém, está sob controle. Isso graças a três calmantes que têm servido para manter o clima mais ameno: as perspectivas para 2020, o diretor de futebol Anderson Barros e o eterno presidente Carlos Augusto Montenegro.

As perspectivas para 2020 animam principalmente os jogadores de bom nível do plantel, que olham a possibilidade de um time competitivo no próximo ano como o filé que vale roer o osso em 2019. Eles olham a movimentação e parecem confiar no esforço que está sendo feito para a formação de um fundo de investimentos e para a transformação do clube em empresa.

– Nós olhamos as movimentações. Umas semanas elas são mais fortes. Nas outras com menos gente circulando. Mas existe sim uma confiança – disse um dos principais jogadores do elenco.

LEIA TAMBÉM:

Internacional vai receber nesta quinta proposta do Botafogo por Neilton
Botafogo esteve sempre perto da derrota contra o Ceará. Empatou!
Será que só o Botafogo tem problema? PC Caju está certo!
Botafogo pode repetir com Pottker e Neilton o mesmo erro do Caso Nicolás Blandi
E o Vinícius Tanque virou esperança no Botafogo. Parei!
Barroca e seu ‘maravilhoso mundo do Botafogo’ só atrapalham
Cruzamento de Gilson é o reflexo do que foi o Botafogo contra a Chapecoense

Anderson Barros e Montenegro seguram as pontas

Isolado em sua sala, Anderson Barros fica tentando resolver as pendências emergenciais. Se parte dos salários dos atletas foi paga, todos os dias o diretor de futebol convive com cobranças de fornecedores, que vão desde transporte a suplementos. A correria para emitir até mesmo as passagens para o plantel viajar é valorizada pelos jogadores. Apesar de não contar com a simpatia da torcida, Anderson tem conseguido segurar o ambiente, pois conta com a confiança do plantel.

A presença constante de Anderson contrasta com a ausência de Gustavo Noronha, vice-presidente de futebol, e do presidente Nelson Muffarej. Nenhum deles dá as caras para conversar com o plantel. Alguns atletas olham Mufarrej como alguém que não sabe nem mesmo o que é uma bola.

O terceiro e não menos importante calmante do elenco é Carlos Augusto Montenegro. Foi o ex-presidente que acalmou os jogadores na semana do último protesto, prometendo que voltaria do exterior com uma boa notícia. Trouxe na bagagem o dinheiro dos chineses para pagar parte dos salários e lidera a busca por investidores.

Existe o sentimento no elenco que é preciso passar por 2019 para que 2020 chegue trazendo boas notícias.

LEIA TAMBÉM:

Venda de Jonathan é reflexo da péssima gestão de Nelson Mufarrej
Preocupação de ilustres é manter Botafogo longe do risco de rebaixamento
Botafogo se junta a influenciadores digitais para fortalecer sócio-torcedor
Botafogo: falta de negociações na janela gera desespero
No Botafogo de Mufarrej até o certo é feito de forma errada
Mendonça deveria servir de exemplo para Mufarrej
Moreira Salles no Botafogo: clube já viveu épocas douradas