O ano começou com a torcida do Botafogo na expectativa pela transformação do clube em empresa. Apenas com isso será possível voltar a ter um time competitivo na verdade. Porém, mesmo sem a nova estrutura, algumas boas notícias chegaram, como Keisuke Honda. Se jogar um pouco do que mostrou na Europa vai acrescentar bastante ao Glorioso. Mas o que encurta mesmo o caminho para o Botafogo ideal e enche o torcedor de esperança são os jovens oriundos das categorias de base e que vão se tornando peças fundamentais pela qualidade e não apenas pela necessidade. Neste cenário podemos dizer que Caio Alexandre, Luis Henrique e Benevenuto encurtam distância para o Botafogo ideal.

Dos três, Marcelo Benevenuto é um velho conhecido. Surgiu muito bem na Libertadores de 2017, mas caiu de produção. Porém, desde a saída de Gabriel e o esvaziamento de Joel Carli por parte da diretoria que o jogador entendeu que chegou a hora de tomar conta da posição. Ainda tem muito a evoluir. Mas é outro jogador em relação aos anos anteriores.

Caio Alexandre quase foi para o Corinthians

Luis Henrique começou bem nas oportunidades que teve este ano. É preciso paciência com o garoto. Mas sua qualidade não se discute. Entretanto, é necessário que Paulo Autuori converse mais com ele. Explique que não pode resolver tudo sozinho no futebol. Pois tem pecado no individualismo.

Por fim Caio Alexandre, que o Botafogo quase perdeu para o Corinthians. Aos poucos o garoto vem tomando conta do meio-de-campo. Suas assistências já chamam a atenção. Parece estar começando a atingir o grau de maturidade que separa os eternos meninos daqueles que pretendem virar homens no futebol. Tomara que siga neste ritmo.