O jovem Luis Henrique pode deixar o Botafogo na próxima janela de transferências. A revelação do jornalista italiano Nicolò Schira, de “La Gazzetta dello Sport”, que publicou o interesse da Juventus no jogador, faz crescer a possibilidade de o jovem sair de General Severiano antes mesmo de amadurecer completamente para o futebol. Como quase tudo na vida, a saída de Luis Henrique do Botafogo tem os dois lados da moeda.

Se formos pensar apenas pelo aspecto financeiro não há nenhuma dúvida de que a saída é proveitosa. Afinal de contas, se fala em 12 milhões de euros para o Botafogo, ou seja, mais de R$ 70 milhões pela cotação atual. Se levarmos em consideração que o jogador veio praticamente sem custos, o valor arrecadado faz o negócio ser da china. Isso principalmente porque o Botafogo teria poucas chances no atual cenário de levantar essa receita em um curto espaço de tempo. Salvo com a transformação do clube em empresa.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Aspecto técnico pesa no lado ruim da moeda Luis Henrique

Seria simples afirmar que o lado ruim desta moeda é só o aspecto técnico. Logicamente que perder um jogador que pode despertar para o futebol rapidamente e render bons frutos em termos de conquistas é algo ruim. Porém, a saída de Luis Henrique neste momento representa o Botafogo perder rapidamente seu jovem com mais capacidade de virar um ídolo do clube.

Há muito tempo que o Botafogo não tem um jovem que chegou nas categorias de base como ídolo. Todos os ídolos recentes do clube chegaram ao Glorioso mais velhos do que Luis Henrique. O Botafogo é um clube de tradição, com uma rica história de ídolos. Muitos deles feitos em casa ou que chegaram a General Severiano bem jovens. Luis Henrique poderia reviver isso. Mas sendo bem realista, a moeda tende a cair para o lado financeiro e não se pode criticar muito a diretoria se isso acontecer. Mas sendo vendido, como já vimos seu potencial, que seja pelo valor integral da multa.

Fonte: Redação FogãoNET