Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Diretoria do Botafogo avisa a torcedores em protesto que não vai demitir Chamusca sem ter substituto; Luxemburgo foi sondado

248 comentários

Boletim do C.E.

Boletim do C.E.

Compartilhe

Vinicius Assumpção e torcedores da Fúria Jovem do Botafogo no protesto no Estádio Nilton Santos em julho de 2021
Reprodução/Internet

Marcelo Chamusca está mantido como técnico do Botafogo. Pelo menos foi o que informou a diretoria alvinegra a membros da torcida organizada Fúria Jovem, que protestou na tarde desta segunda-feira (12/7) no Estádio Nilton Santos contra o mau desempenho da equipe no início da Série B do Campeonato Brasileiro.

O Boletim do C.E apurou que houve um encontro de alguns integrantes da Fúria com a diretoria após o treino do Botafogo. Na reunião, segundo relatos dos torcedores, o vice-presidente geral Vinicius Assumpção disse que o clube decidiu não demitir o treinador porque ainda não tem um substituto encaminhado no mercado. Quem acompanhou a conversa representando o elenco foi o goleiro Diego Loureiro, titular do time no empate em 3 a 3 com o Cruzeiro no último sábado.

Botafogo levantou custos para contratar Luxemburgo

Ainda de acordo com que os manifestantes contaram à coluna do FogãoNET, foi dito que o Botafogo chegou a mapear recentemente o mercado em busca de um técnico, mas a maioria dos profissionais desejados pelo departamento de futebol não sinalizaram positivamente para assumir o Glorioso.

O nome de Vanderlei Luxemburgo, que comandou Vasco e Palmeiras nas últimas temporadas, foi lembrado e virou assunto na reunião, já que o próprio afirmou na semana passada no Instagram que seria um “privilégio” comandar o Botafogo um dia. No entanto, segundo Assumpção, a contratação do experiente treinador custaria algo em torno de R$ 400 mil mensais, o que está fora da realidade financeira do clube no momento.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas
Comentários