Caso Odebrecht: Mauricio Assumpção chega à 5ª DP para prestar depoimento

Compartilhe:

Mauricio Assumpção, ex-presidente do Botafogo, compareceu na manhã desta terça-feira à 5ª Delegacia de Polícia, na Lapa, zona central do Rio de Janeiro, para prestar depoimento no caso em que é acusado pela atual diretoria de beneficiar a Odebrecht em contratos suspeitos quando da interdição do Engenhão, hoje rebatizado de Estádio Nilton Santos.

Assumpção chega à 5ª DP para prestar depoimento (FOTO: Globoesporte.com)

Assumpção chegou acompanhado de seu advogado, Bruno Albernaz, e não quis falar com a imprensa. Até a publicação desta reportagem, o ex-diretor-executivo do clube, Sergio Landau, também intimado pela Polícia Civil, não havia chegado ao local para prestar depoimento.

O Botafogo apresentou notícia-crime em outubro, afirmando que o empréstimo de R$ 20 milhões junto à Odebrecht, em 2013, foi tomado “em condições suspeitas e com graves prejuízos”. A atual diretoria desconfia também que a interdição do Estádio Nilton Santos tenha ocorrido para favorecer o Maracanã, que é gerido pela Odebrecht.

LEIA MAIS:
– Assumpção rompe silêncio e se defende: ‘Ódio insano perto de eleição do clube’
– Chefe do ‘setor de propina’ da Odebrecht assinou empréstimo ao Botafogo
– Landau se defende e vê notícia-crime do Botafogo como ‘factoide’ e ‘maluquice’
– Odebrecht entrou na Justiça este mês cobrando o empréstimo de R$ 20 milhões

Além da polícia, o Botafogo também procurou o Ministério Público através do promotor Marcelo Muniz Neves, da Promotoria de Investigação Penal (PIP), que enviou um ofício ao juiz comunicando a existência de um inquérito policial. O documento já está, inclusive, inserido ao processo.

– Ocorreu, em tese, um pagamento de indenização (R$ 20 milhões) disfarçado de contratos de mútuo, uma vez que, a Odebrecht não é Banco e nem Financeira para emprestar um vultoso valor. O mais curioso de tudo, é que os contratos de mútuo possuem objeto indefinido, ou seja, algo futuro. Sem falar que na época o Botafogo estava, literalmente, quebrado, não tinha a menor condição de conseguir dinheiro na praça. Mas como a Odebrecht é magnânima, emprestou para obter no futuro – explicou Walmer Machado, advogado que representa o Botafogo na ação, ao Globoesporte.com.

Comentários