Ante desmanche, Bota estuda reeditar fundo de investimento

Compartilhe:

Preocupado com um possível desmanche de seu elenco por conta da crise financeira que enfrenta atualmente, o Botafogo discute com a empresa MFD Sports a criação de um novo fundo de investimentos, reeditando um modelo que possibilitou a chegada de Elkeson, por exemplo, no passado. No entanto, a empreitada desta vez teria como prioridade sanar as finanças do clube, com reforços em segundo plano.

Assim como em 2009, ano da criação do projeto anterior, chamado de CPE (Companhia de Participações Esportivas), a ideia é vender cotas do fundo para investidores e assim arrecadar receita para que ele possa entrar em ação. A MFD comandaria a operação com a consultoria técnica do Botafogo. O valor a ser pago pelos interessados em participar do plano ainda estão sendo discutidos entre o clube e a empresa. Na primeira, foram 20 fatias de R$ 250 mil, totalizando R$ 5 milhões.

A expectativa é que a futura empreitada supere os números da antecessora, mas a participação em reforços deve ser menor. O fundo agiria comprando parcelas de direitos econômicos de atletas do elenco alvinegro para injetar dinheiro no clube, abalado pelas recentes penhoras e a interdição do Engenhão no dia 26 de março por problemas na cobertura.

Com a venda de percentuais de seus jogadores, o Botafogo conseguiria manter os salários e outras contas em dia, sem precisar se desfazer de mais atletas como Andrezinho e Fellype Gabriel, negociados com Tianjin Teda-CHI e Sharjah-EAU, respectivamente. As vendas reduziram a folha salarial, mas não geraram receita ao time de General Severiano, já que os cerca de R$ 10 milhões que teria a receber foram bloqueados judicialmente pela Fazenda Nacional.

Embora o foco seja manter a saúde financeira do Botafogo, a parceria também poderá trazer reforços. Assim como na primeira empreitada, Alvinegro e MFD decidiriam em conjunto sobre os nomes a serem contratados, com prioridade para jovens entre 18 e 24 anos. A empresa atualmente tem parte dos direitos econômicos de Jefferson, Lucas Zen e Cidinho, além de atletas como Mattheus, do Flamengo.

Os jogadores do Alvinegro têm dois pagamentos atrasados desde o dia 20 deste mês, quando venceu o último deles. A situação tem causado incômodos entre a diretoria e o elenco, que tem se recusado a concentrar para alguns jogos, como para o confronto com o Náutico, no final de semana passado. Na ocasião, a equipe venceu por 2 a 0 em São Januário.

Fonte: UOL

Comentários