O elenco do Botafogo cumpriu a promessa e realizou novo protesto contra os salários atrasados nesta segunda-feira. Os jogadores subiram ao campo auxiliar do Engenhão com mais de 20 minutos de atraso e sentaram no gramado por mais 10 minutos antes de iniciarem o treinamento.

E as ações não devem parar. O grupo alvinegro promete repetir a manifestação antes do treino de terça-feira, véspera do jogo contra o Unión Española, do Chile, pela Copa Libertadores, no Maracanã.

O elenco já havia realizado o mesmo tipo de manifestação antes do treino do último sábado, além de não aparecer para a atividade marcada para o domingo.

Enquanto os jogadores temem completar dois meses sem salários no início de abril, a diretoria se defende e diz que o vencimento se dá apenas no dia 20 de cada mês seguinte. Sem receber o pagamento de fevereiro, o elenco cobrou uma posição da diretoria e ouviu que ainda não havia previsão para que a situação se normalizasse no final da última semana. A falta de uma data para o pagamento foi o estopim para a crise.

Em entrevista no último sábado, o presidente do clube, Maurício Assumpção, lamentou a situação, julgou legítimo o protesto do elenco e culpou a penhora recente das receitas pela crise financeira.

“Os jogadores entendem, mas estão no direito deles. Hoje são os jogadores, mas daqui a 20 dias serão os aproximadamente 400 funcionários do Botafogo que estarão nesta situação. Não vão receber os seu salários. É uma situação que aconteceu no ano passado, mas tínhamos receitas liberadas. Este ano a situação é muito ruim. Não posso nem prometer que vão receber nem caso se classifiquem. A premiação entra na conta e é bloqueada na hora. É a penhora online”, lamentou o mandatário.

Fonte: UOL