A idolatria de Seedorf não é mais uma unanimidade no Botafogo. Uma das maiores contratações do clube, o holandês já provoca emoções distintas em torcedores. Após a derrota para o Internacional, há cerca de um mês, o camisa 10 foi recebido, juntamente com os demais atletas, com xingamentos e até ovada no ônibus. O episódio não foi bem digerido pelo apoiador, que criticou a baixa frequência de botafoguenses no estádio.

As críticas de Seedorf, por sua vez, deixaram a torcida organizada Loucos pelo Botafogo revoltada. Nas redes sociais, o grupo fez duras críticas ao holandês e pediu mais futebol e menos entrevistas. Em meio a essa guerra, o camisa 10 dá mostras de que seu nível de insatisfação é alto, tanto que pode deixar o Alvinegro antes mesmo do fim do seu contrato – junho de 2014.

“Já que nego não olha para o próprio rabo e gosta de criticar os outros, segura essa então. SEEDORF você não acha que ganha muito – quase R$ 1 milhão – para jogar uma bolinha que qualquer peladeiro joga? Aonde está seu futebol meu filho? [sic]”, protestou o presidente da Loucos, Rafael Mois Kastrup, nas redes sociais.

As reclamações contra Seedorf não são poucas. Após o empate com o São Paulo, no Morumbi, a organizada postou: “Torcida joga mal e Botafogo só empata com São Paulo no Morumbi”. Uma clara indireta a Seedorf, que criticou a torcida na mesma semana.

O Botafogo não se pronuncia oficialmente sobre a questão e vai esperar o fim do ano para decidir o que fazer. Existe a possibilidade de uma rescisão amigável, principalmente se o time não se classificar para a Libertadores. Neste caso, o Alvinegro teria menos dinheiro para investir em 2014 e o salário de Seedorf – R$ 700 mil – seria um fardo.

Por outro lado, o Botafogo já estuda uma forma de contar com Seedorf de forma integral para a Libertadores, que será disputada também no segundo semestre, quando o holandês já não terá mais contrato com o clube. Neste caso, o Alvinegro quer um adicional para que seu camisa 10 jogue toda a competição.

O fato é que Seedorf está insatisfeito com a onda de protestos ocorridos em General Severiano em novembro. Segundo amigos do holandês, ele entende as críticas, mas considerou o protesto contra o elenco no aeroporto, com direito a ovadas, bastante exagerado. Após esse capítulo, os jogadores pararam de agradecer a presença dos torcedores após os jogos, como era costume até então.

Independentemente da relação desgastada, a torcida promete fazer bonita festa neste domingo, no Maracanã, contra o Criciúma. Além da chance de se classificar para a Libertadores, o Botafogo planeja uma festa para homenagear Nilton Santos, ídolo do clube que morreu na última quarta-feira vítima de pneumonia. A promessa é de apoio incondicional. Pelo menos até o apito final.

Fonte: UOL