Blog fala em ‘marmelada’ na Copa BR e desconfia do Botafogo

Compartilhe:

Copa da Marmelada do Brasil. Olho em Santos, Ponte e Botafogo

Um ano atrás, este país estava indignado. A Espanha havia perdido para o Brasil de propósito na fase de grupos da Olimpíada, no basquete masculino, em Londres. Havia perdido para abrir o caminho no mata-mata e fugir do “Dream Team” dos americanos, que acabariam pegando só na decisão. Eram antiéticos, antidesportistas, haviam pisado no espírito olímpico, faltava caráter. Era daí para baixo.

Lógico, vivemos no país dos dois pesos, duas medidas. Quando a seleção masculina de vôlei havia feito o mesmo para ganhar caminho livre na tabela do Campeonato Mundial, dois anos antes, não havia problema… Afinal, “os italianos haviam feito uma tabela boa para eles”. Era o que diziam os que justificavam o injustificável. A lógica do “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão”. Como se ladrão que roubasse ladrão não fosse… ladrão!

A Espanha perdeu no basquete porque era melhor para ela. O Brasil perdeu no vôlei porque era melhor para ele. Não concordo com nenhum dos dois, ainda que entenda os dois. Em nosso futebol, debaixo de nossos narizes, neste exato momento, está ocorrendo a mesma coisa. Estamos vendo na atual edição da Copa do Brasil uma das maiores marmeladas jamais vistas na história do futebol brasileiro. E parece que ninguém está nem aí! A CBF não se pronuncia, os clubes dão de João sem braço, e a mídia, claro, está preocupada com outros assuntos (muuuuuito) mais importantes.

Nunca, na história da competição, tantos times de primeira divisão foram eliminados por tantos times de divisões inferiores. Ainda na primeira fase, a Portuguesa foi eliminada pelo Naviraiense, no Mato Grosso do Sul, e o Náutico caiu para o Crac, de Goiás. Na segunda fase, foi a vez de o Vitória cair para o Salgueiro, de Pernambuco, o Coritiba para o Nacional, de Manaus, e o Bahia diante do Luverdense.

Agora estamos na terceira fase. O Criciúma já foi eliminado pelo Salgueiro, esse exterminador incrível de times da primeira divisão. Mas não mais incrível que o Nacional, que está a ponto de tirar também a Ponte Preta. E meus olhos estarão voltados hoje para a cidade de Catalão, onde esse fenomenal time do Crac, que é lanterna de seu grupo na TERCEIRA divisão nacional, com um empate e quatro derrotas em cinco partidas, pode eliminar o Santos.

O Santos. Para o Crac.

Eu não vi esses jogos todos que acabaram nas eliminações dos times da primeira divisão. Certamente alguns deles perderam porque são ruins mesmo. Mas não todos. E veja bem. Não é preciso entregar e fazer corpo mole em campo para perder uma partida. No momento em que os dirigentes do Coritiba liberam a festa pelo título Estadual e Alex não viaja para um duelo lá em Manaus, as chances de derrota para o Nacional aumentam consideravelmente.

A CBF tinha tudo para transformar a Copa do Brasil na competição mais legal desse país. Poderia botar todos os times federados para jogá-la, com partidas únicas e sorteio puro para definir os confrontos. Se desse Corinthians x Flamengo na primeira fase, azar deles. Um modelo ultrademocrático, como o da Copa da Inglaterra, em que até o menor dos times poderia sonhar com a glória de disputar um título ou uma fase avançada em algum estádio mítico do nosso país.

Mas não. Ela resolveu fazer o regulamento mais esdrúxulo de que se tem conhecimento, e olha que de regulamento esdrúxulo nossos dirigentes entendem, com mestrado e doutorado.

Percebi, pelas redes sociais, que muitos amigos não entenderam ainda o que está acontecendo. E não culpo ninguém, porque é difícil mesmo de entender. A CBF determinou que os seis times que disputaram a Copa Libertadores entrassem diretamente nas oitavas de final da Copa do Brasil, sem disputar a Copa Sul-Americana: Corinthians, Palmeiras, Fluminense, Atlético Mineiro, Grêmio e Vasco.

O Vasco entrou nessa como substituto do São Paulo que, como campeão vigente da Copa Sul-Americana, é obrigado a defender seu título. Então o São Paulo torna-se o único a disputar os dois torneios sul-americanos, enquanto o Vasco torna-se o único fora dos dois, obrigatoriamente.

Pois bem. Oito clubes subsequentes na classificação do Brasileirão de 2012 conquistaram seu direito de disputar a Copa Sul-Americana. Na ordem: Botafogo, Santos, Cruzeiro, Internacional, Flamengo, Náutico, Coritiba e Ponte Preta. No entanto, para “exercer” o direito de jogar a Sul-Americana, era imperativo que eles não estivessem vivos na fase de oitavas de final da Copa do Brasil.

E é aí que está a bizarrice. Quem está nas oitavas da Copa do Brasil, não pode jogar a Copa Sul-Americana. O “prêmio” destes dois torneios é idêntico: o campeão se classifica para a próxima Copa Libertadores. Coloque-se, agora, no lugar do Náutico, que não disputa uma competição internacional há décadas, ou do próprio Coritiba. De qualquer clube do países que não seja um dos 12 agraciados pelas maiores cotas de TV do Brasileirão.

O que é mais fácil (ou menos difícil)?? Ir longe em uma Copa do Brasil em que será necessário enfrentar Corinthians, Grêmio, Fluminense, etc, etc, etc? Ou ir longe em uma Copa Sul-Americana, em que os confrontos serão contra times nacionais de mesmo “status” e outros times sul-americanos que não são os melhores e mais importantes de seus países??

A resposta é fácil, é óbvia. É muito mais interessante para Portuguesa, Náutico, Bahia, Vitória, Coritiba e Criciuma jogar a Copa Sul-Americana do que a Copa do Brasil. E também para a Ponte Preta, que escancaradamente botou um time reserva para jogar com o Nacional, em Campinas, e fará o mesmo na volta. E também para o Santos!

Para este jovem time do Santos, me respondam. Qual a maior probabilidade de chegar à próxima Libertadores? Ficar entre os quatro primeiros na maratona do Brasileiro? Ganhar a Copa do Brasil? Ou ganhar a Copa Sul-americana?? A resposta é óbvia.

O Santos, que vive ótima fase com sua nova geração no Brasileiro, empatou em casa com o Crac no jogo de ida. E nesta noite de quarta joga em Catalão sem seus titulares de peso: Edu Dracena, Léo, Montillo, Cícero. Essa é uma maneira sutil, não é verdade? Não manda titulares e fala que eles precisam ser poupados…

Voltando ao regulamento, para que tudo fique esclarecido. Cruzeiro, Internacional e Flamengo não pensaram em marmelada, fizeram valer seu favoritismo e estão nas oitavas da Copa do Brasil. Consequentemente, abriram três vagas para os times seguintes na Série A e na classificação da Série B do ano passado. Bahia e Portuguesa, que já fizeram seu papel (de perder), estão na Sul-Americana. O Goiás, campeão da Série B, estaria… mas acabou passando para as oitavas da Copa do Brasil. Então é o Criciúma que está garantido.

Botafogo, Santos e Ponte Preta, na noite desta quarta, definem seus próprios destinos e os de Atlético Paranaense, Vitória e Sport (que entra na fila, mesmo rebaixado para a Série B e que também já fez sua parte sendo eliminado pelo ABC na Copa do Brasil. O Sport, terceiro colocado na atual Série B, foi eliminado pelo ABC, lanterna do mesmo torneio e sem uma vitória sequer).

O Atlético-PR está em uma sinuca de bico. Joga mais cedo, nesta quarta, contra o Paysandu. Se for eliminado da Copa do Brasil e Botafogo, Santos e Ponte também forem eliminados por Figueirense, Crac e Nacional, respectivamente, o Atlético-PR sai da Copa do Brasil e fica também fora da Sul-Americana. Pode ser um mico gigante.

O Botafogo até que tem um álibi, um jogo mais difícil, contra o Figueirense, em Florianópolis. O Santos, não tem. Contra um time, repito, que não ganhou de ninguém nem mesmo na Série C do Brasileiro. E a Ponte Preta não faz questão de esconder a que joga.

Se o Santos perder, talvez algum olho se abra, finalmente, para a grande marmelada que foi a Copa do Brasil até agora.

Clube a clube, a escadinha da Sul-Americana:

Botafogo – se for eliminado da Copa do Brasil pelo Figueirense, disputa a Sul-Americana;

Santos – se for eliminado da Copa do Brasil pelo Crac, disputa a Sul-Americana;

Cruzeiro, Internacional e Flamengo – avançaram às oitavas da Copa do Brasil e abriram três vagas na Sul-Americana;

Náutico – eliminado da Copa do Brasil na primeira fase pelo Crac, que é lanterna de seu grupo na Série C sem uma vitória sequer. Consequentemente, Náutico vai disputar a Sul-Americana;

Coritiba – invicto no Brasileirão, foi eliminado da Copa do Brasil ao levar 4 do Nacional, em Manaus (sem Alex, logicamente). Foi eliminado e, consequentemente, vai disputar a Sul-Americana;

Ponte Preta – botou time reserva e perdeu do Nacional-AM em Campinas. Nesta quarta, foi com time reserva a Manaus. Se for eliminada da Copa do Brasil, se garante na Sul-Americana;

Bahia – eliminado pelo Luverdense na segunda fase da Copa do Brasil, ganhou vaga na Sul-Americana porque o Cruzeiro já avançou na Copa do Brasil;

Portuguesa – eliminada pelo Naviraiense na primeira fase da Copa do Brasil, ganhou vaga na Sul-Americana com o avanço do Internacional na competição nacional;

Goiás – campeão da Série B passada, fez sua parte na Copa do Brasil e está nas oitavas de final. Consequentemente, fora da Sul-Americana. Palmas para o Goiás;

Criciúma – vice da Série B passada, foi eliminado na terceira fase da Copa do Brasil levando gol no último minuto do Salgueiro, em Pernambuco. Prêmio? Está na Sul-Americana, já que o Flamengo foi às oitavas da Copa do Brasil;

Atlético-PR – terceiro da Série B passada, enfrenta o Paysandu na Copa do Brasil. Se avançar, vai às oitavas do torneio. Se for eliminado, no entanto, ganhará uma vaga na Sul-Americana caso ou Botafogo ou Santos ou Ponte Preta (basta somente um deles) passe para as oitavas da Copa do Brasil;

Vitória – quarto na Série B passada, campeão baiano com sobras, com ótima campanha no Brasileiro e… eliminado da Copa do Brasil na segunda fase pelo Salgueiro, de Pernambuco. Para ganhar uma vaga na Sul-Americana precisa que, entre Botafogo, Santos, Ponte Preta e Atlético-PR, dois deles passem para as oitavas de final da Copa do Brasil. Se somente um passar e três forem eliminados, o Vitória dança e a estratégia terá sido um tiro n’água;

Sport – rebaixado da Série A com a maior pontuação, foi eliminado na segunda fase da Copa do Brasil pelo ABC, time que não ganhou um jogo sequer na edição atual da Série B. Para entrar na Sul-Americana, o Sport precisa que, entre Botafogo, Santos, Ponte Preta e Atlético-PR, no máximo um deles seja eliminado na terceira fase da Copa do Brasil. Ou seja, três destes quatro têm que passar às oitavas, senão o Sport não entra na competição continental;

Atlético-GO – eliminado pelo Cruzeiro na terceira fase da Copa do Brasil, o Atlético ainda ganha uma vaga na Sul-Americana caso Botafogo, Santos, Ponte e Atlético-PR, todos eles, passem para as oitavas de final da Copa do Brasil. Esse, convenhamos, é o único eliminado da Copa do Brasil que não gera uma desconfiança sequer.

PS – no meu código de ética do esporte, perder de propósito é errado e ponto. Torna-se um grande estelionato, porque as pessoas pagam e assistem acreditando que, em uma competição esportiva, ambos entram para ganhar, para dar o máximo. Eu entendo a estratégia de todos estes clubes, escolhendo um campeonato, em vez de outro. É um direito que lhes foi concedido por gente que não entenda nada de esporte, tabelas e regulamentos. Da próxima vez, no entanto, espero que combatam esse tipo de coisa fora de campo, em vez de “jogar o jogo”. Ou não jogar. Enfim, vocês entenderam…



Fonte: Blog do Julio Gomes - UOL
Comentários