A saída repentina de Seedorf mal foi digerida e, a pouco mais de uma semana da estreia do Botafogo na Libertadores, Rafael Marques, o artilheiro do time na última temporada, também está fora do clube. Quanto aos reforços, Bolatti e Jorge Wagner são bons jogadores, mas nada que empolgue o torcedor. Soma-se a tudo isso o fracasso ao tentar trazer nomes modestos, como Neilton, William José e Zeballos.

Todos sabem que a situação financeira do clube é ruim, mas será que não há capacidade para que seja feito um bom investimento sequer? Os cortes na folha salarial foram bem significativos, além de ter fechado dois patrocínios de valores elevados para a camisa.

A política hermética da diretoria dificulta a compreensão do que se passa na cabeça da cúpula de futebol. O relacionamento com a impresa quase inexiste, o que dá a sensação de conformidade com o cenário que está se desenhando.

Por fim, repito o que já disse diversas vezes. O time do Botafogo que terminou 2013 era fraco, se arrastou no segundo semestre e só conseguiu a classificação graças ao ótimo trabalho feito no primeiro turno do Brasileirão. Agora, imagine essa mesma equipe sem dois dos melhores jogadores. Ao que tudo indica, este será Alvinegro que disputará a Libertadores, depois de 17 anos de ausência.

Fonte: Blog Ninguém Cala - Lancenet!