A negociação do Botafogo com o meia Yaya Touré está cada vez mais próxima de um desfecho positivo. O Alvinegro recebeu um pedido do marfinense para um contrato até o fim de 2022, com aumentos progressivos e bastante altos a partir de 2021. Por outro lado, o veterano de 36 anos cedeu uma opção ao clube de General Severiano para estender ou não o vínculo em dezembro de 2020, que ele também terá caso queira deixar o Brasil ao fim do ano.

A ideia dos alvinegros é muito clara: a diretoria sabe que o ano de 2021 depende do processo de transição para clube-empresa, e que caso tudo dê certo com a S.A., o Bota terá dinheiro para negociar e pagar os valores pedidos por Yaya neste mercado da bola.

Os detalhes que faltam ainda estão nos valores. O Botafogo tenta reduzir um pouco a pedida para os vencimentos dos próximos dois anos, ainda que tenha a opção de não manter o vínculo após o fim de 2020.

Assim, a produtividade será a chave: se Yaya Touré for um sucesso pelo Alvinegro, ficará para as próximas temporadas. Caso a contratação não dê o retorno esperado, o clube se resguarda para não despender de gastos exorbitantes com o jogador. A opção de encerrar o contrato ao fim de 2020 também é útil para o Glorioso caso a transição para o modelo empresarial não dê certo até lá.

Inicialmente, o marfinense receberia R$ 200 mil além de participação em vendas de produto que levem seu nome, algo similar ao que acontece com Keisuke Honda. Esses valores subiram para a casa de R$ 280 mil (o que significa pouco mais de R$ 200 mil livres de impostos), mas ainda estão dentro da realidade do clube.

Fonte: UOL